Vítor Constâncio com reformas de 27 mil euros por mês

Vítor Constâncio voltou a ser chamado à Comissão Parlamentar de Inquérito da Caixa Geral de Depósitos, onde vai depor no dia 18 de junho.

O antigo governador do Banco de Portugal tem uma reforma superior a 27 mil euros por mês, avança o Correio da Manhã esta quarta-feira, 12 de junho.

Este valor resulta do pagamento de duas reformas: a  pensão do Banco de Portugal, e a pensão que aufere devido aos seus oito anos como vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), que corresponde a 70% do seu último salário (17 mil euros).

Segundo o Correio da Manhã, Vítor Constâncio acumulou durante oito anos a reforma do Banco de Portugal, no valor de 10 mil euros mensais, com o salário do BCE, que rondou os 24 mil euros mensais em 2017.

Vítor Constâncio voltou a ser chamado à Comissão Parlamentar de Inquérito da Caixa Geral de Depósitos, onde vai depor no dia 18 de junho.

A chamada de Vítor Constâncio ao Parlamento acontece depois de ter sido noticiado que a sua administração do Banco de Portugal deu luz verde à tomada de posição da Fundação José Berardo no banco BCP, conforme avançou o jornal Público,

Estas notícias contrariam as declarações do ex-governador do Parlamento. Em entrevista à RTP, Vítor Constâncio disse que “teve conhecimento da operação” e que esteve presente na reunião que aprovou a mesma, mas argumentou que o crédito de 350 milhões de euros da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo “já tinha sido concedido há meses”.

 

Ler mais
Relacionadas

Inquérito à Caixa: Vítor Constâncio volta ao parlamento na próxima semana

Vítor Constâncio voltará a ser inquirido no parlamento no dia 18 de junho, tendo a audição de Faria de Oliveira, que estava prevista para esse dia, sido reagendada e antecipada para segunda-feira, dia 17 de junho.

CGD: Constâncio garante que não esteve na reunião que aprovou posição de Berardo no BCP

Antigo Governador do Banco de Portugal insiste em depoimento escrito que não esteve presente na reunião em que o supervisor autorizou a operação, que se revelaria ruinosa para o banco público.

“Esta documentação mostra que o BdP não se opôs à entrada de Berardo no BCP”

Filipe Alves, diretor do Jornal Económico, analisou para a SIC Notícias a polémica em torno de Vítor Constâncio que terá omitido dos deputados portugueses a autorização para que Joe Berardo levantasse 350 milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos.

“Nada foi omitido da minha parte”. Vítor Constâncio garante que nada omitiu na Assembleia da República

“Como expliquei corretamente na Assembleia da República (AR), o Banco de Portugal (BdP) não tem competência para ter conhecimento de operações de crédito antes de serem decididas pelos bancos, nem muito menos competência para as mandar anular”, afirmou hoje Vítor Constâncio num esclarecimento escrito enviado à Lusa.

Vítor Constâncio sobre crédito de Berardo: “Não me lembro. Estou a investigar”

Segundo o jornal Público, Vítor Constâncio omitiu dos deputados portugueses que autorizou Joe Berardo a levantar 350 milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos. Esta autorização do então governador do Banco de Portugal permitiu ao empresário usar este dinheiro para comprar ações do banco rival , o BCP.

Vítor Constâncio autorizou Joe Berardo a ir levantar 350 milhões à Caixa

A operação foi aprovada em conselho de administração do Banco de Portugal, conforme consta da documentação acedida pelo jornal Público. Vítor Constâncio omitiu esta informação ao Parlamento.
Recomendadas

Urgência da Maternidade Alfredo da Costa retoma hoje normalidade

A ministra da Saúde garantiu hoje que a Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, vai retomar o normal funcionamento a partir das 20:00 de hoje, admitindo que o serviço de anestesiologia esteve em contingência por falta de anestesistas.

Debate entre Costa e Cristas na TVI teve 935 mil espetadores

O debate António Costa – Assunção Cristas, na sexta-feira, na TVI, teve um “share” de 21,8%, e foi visto por 935 mil telespetadores, disse hoje à Lusa fonte do canal.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.
Comentários