Volkswagen abandona produção do célebre ‘Carocha’ no próximo ano

A produção terminará definitivamente em julho de 2019, na fábrica de Puebla (México).

Ler mais

A Volkswagen anunciou que encerrará oficialmente a produção do carro ‘Carocha’ (ou Beetle, como é conhecido nos Estados Unidos) em 2019. Para marcar a despedida, a série Beetle Final Edition será oferecida nos EUA em quatro configurações diferentes.

A fabricante marcou para 2019 o encerramento da produção do modelo icónico.

“A perda do ‘Carocha’, depois de três gerações e mais de sete décadas, deverá provocar todo um conjunto de emoções aos muitos fãs devotos do ‘Carocha'”, disse o presidente executivo da Volkswagen da América do Norte, Hinrich Woebcken.

O fabricante alemão Volkswagen anunciou esta quinta-feira que vai abandonar definitivamente a produção do mítico ‘Carocha’ no próximo ano, lançando dois últimos modelos para “celebrar a herança” de uma viatura que marcou a história do setor automóvel.

A Volkswagen que ainda não recuperou nos Estados Unidos do escândalo da manipulação de motores para mascarar a taxa de poluição, quer focar-se na produção de viaturas familiares maiores e elétricas e “não prevê no imediato substituir” o ‘Käfer’ (‘besouro’, em alemão, termo por que é conhecido o carro).

A produção terminará definitivamente em julho de 2019, na fábrica de Puebla (México).

Recomendadas

STCP vai fechar o ano com 50 autocarros novos

Estes autocarros fazem parte de um pacote de renovação da frota da empresa que passou pela aquisição, em curso, de um total de 188 autocarros, que irão entrar todos em funcionamento até meados de 2020, num investimento previsto de cerca de 92 milhões de euros.

Primark estende programa de algodão sustentável ao Paquistão

Segundo esta cadeia, 4,4 milhões de pijamas de algodão da Primark fabricados com algodão de origem sustentável foram vendidos no primeiro ano desta iniciativa.

“Crescimento da Mercadona virá de Portugal”, assume presidente do grupo

O líder da distribuição em Espanha está a atingir o limite máximo de lojas no país vizinho e optou por Portugal para ser a primeira experiência de internacionalização e para continuar a expandir-se.
Comentários