Volkswagen corta três mil milhões de euros em custos para acelerar melhoria nos lucros

Construtora pretende reduzir as despesas administrativas e eliminar a complexidade da linha de modelos da marca, ao mesmo tempo que procura aumentar a produtividade das suas fábricas em cerca de 30% até 2025.

A Volkswagen anunciou o corte de custos em três mil milhões de euros por forma a acelerar a melhoria nas suas margens de lucro, que há muito tempo fica atrás da rentabilidade de rivais como a Toyota do Japão, em parte devido aos altos custos com os trabalhadores das fábricas alemãs, segundo um comunicado emitido pela marca de automóveis esta quinta-feira.

“Até 2020, atingiremos os três mil milhões de euros em redução de custos, e mais três mil milhões de euros até 2023”, referiu Arno Antlitz, membro do conselho responsável pelas finanças da marca Volkswagen, em conferência de imprensa na cidade de Wolfsburgo, na Alemanha.

Este corte deverá ajudar a marca a atingir uma margem de lucro de pelo menos 6% até 2022, três anos antes do planeado anteriormente, acrescentou a empresa.

A Volkswagen informou que pretende reduzir as despesas administrativas e eliminar a complexidade da linha de modelos da marca, ao mesmo tempo em que luta para aumentar a produtividade das suas fábricas em cerca de 30% até 2025.

A Wolkswagen pretende investir mais de 11 mil milhões de euros em “veículos elétricos, digitalização, direção autónoma e serviços de mobilidade até 2023, com a maior parte destinada a carros elétricos”, refere a empresa.

A marca assume que “as negociações sobre uma potencial aliança com a rival americana Ford estão a correr bem”, e que fará uma atualização sobre esse processo no início de 2019.

Ler mais
Relacionadas

SAG ultrapassa 12 milhões de resultados negativos

A empresa liderada por João Pereira Coutinho perdeu quota de mercado ao longo dos primeiros nove meses do ano em todas as marcas que representa.

Volkswagen vai chamar mais de 70 mil carros às oficinas por problema nos cintos

A Volkswagen vai chamar cerca de 75 mil carros da marca Polo, Seat Ibiza e Arona na sequência de irregularidades com os cintos de segurança, que podem romper em manobras bruscas.
Recomendadas

Infraestruturas de Portugal diz que “sempre” esteve disponível para “exigências” da Altice

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse hoje que “sempre mostrou disponibilidade para aceder às exigências colocadas pela Altice”, depois da empresa ter denunciado o contrato com a IPTelecom para o enterramento de cabos de telecomunicações.

Governo considera que não existem motivos para PCP e Bloco pedirem a fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho defende que não há razões para os parceiros da geringonça pedirem ao Constitucional para avaliar as alterações ao Código do Trabalho.

Governo surpreendido com decisão da Altice de rescindir contrato com IP Telecom

O Ministério das Infraestruturas manifestou-se hoje surpreendido por a Altice ter rescindido o contrato com a IPTelecom para o enterramento de cabos, apontando que em 08 de agosto “foi possível chegar a um acordo entre partes”.
Comentários