Volkswagen: grupo estuda venda de ativos para ser mais eficiente

Novo líder do grupo automóvel afirmou ainda que a reestruturação vai passar pela concentração em marcas fortes, tendo ainda frisado que decidiu criar seis unidades operacionais e apostar na China.

Ler mais

O novo presidente do grupo Volkswagen, Herbert Diess, afirmou hoje que tenciona vender ativos detidos pelo construtor automóvel alemão e que é “necessário acelerar” a transformação da empresa para que esta seja “mais eficiente”.

Na sua primeira conferência de imprensa nestas funções, realizada na sede do grupo em Wolfsburg, Alemanha, Diess disse que iria “analisar os diferentes ativos” da carteira da Volkswagen, que incluem a Renk e a MAN Diesel, para determinar se é “imperioso conservá-los”.

O novo líder do grupo automóvel afirmou ainda que a reestruturação vai passar pela concentração em marcas fortes, tendo ainda frisado que decidiu criar seis unidades operacionais e apostar na China.

O gestor explicou também que as marcas do conglomerado vão organizar-se em três grupos.

O primeiro, incluirá a Volkswagen, Skoda, Seat, os veículos industriais ligeiros e os serviços de mobilidade. O segundo, integrará a Audi e o terceiro abrangerá a Porsche, Bentley, Bugatti e mais lá para a frente a Lamborghini.

O critério para estabelecer esta categoria de marcas tem a ver com “o preço dos veículos”, disse o novo presidente do construtor automóvel.

O grupo Volkswagen está a preparar também a entrada em bolsa do negócio de camiões e autocarros através da Volkswagen Truck and Bus, tendo de transformar a empresa em sociedade anónima e, posteriormente, em sociedade europeia.

A entrada em bolsa irá aumentar as possibilidades de se financiar no mercado de capitais para que os investimentos sejam “mais flexíveis no futuro”, bem como “acelerar a rentabilidade do negócio”, salientou o novo presidente do grupo alemão.

Recomendadas

A importância do “jornalismo lento” como impulsionador do “pensamento crítico sobre o que nos rodeia”

Quiosque Manifesto organiza palestra sobre o “jornalismo lento”, com um dos editores da revista “Delayed Gratification”, precursora desse conceito. A coordenadora Inês Catarina Pinto refuta a “morte do papel”, diz que “estamos a viver uma época de ouro das publicações independentes” e enaltece a “valorização da informação como conhecimento”.

Luz Saúde aumenta lucros para 9,4 milhões de euros

O grupo manteve a sua trajetória de crescimento orgânico combinado com a expansão geográfica da rede de cuidados privados.

Amorim/Vanguard sozinho no concurso para a venda da Comporta

‘And then there was one’. O grupo Amorim e a Vanguard Properties de Claude Berda ficaram sozinhos no concurso organizado pela Deloitte. Mas ainda tem de passar na Assembleia de Participantes.
Comentários