Volume das trocas comerciais com Portugal já mostra recuperação de Angola

As vendas de Angola a Portugal entre janeiro e julho deste ano totalizaram mais de 600 milhões de euros, o que representa uma subida de 416% face aos 116,1 milhões de euros em bens vendidos por Angola a Portugal nos primeiros sete meses de 2017.

O saldo das trocas comerciais de Portugal com Angola este ano deve manter-se positivo, mas só nos primeiros sete meses as vendas angolanas já ultrapassaram o total do ano passado, evidenciando a recuperação económica em curso.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) português preparados para a Lusa, as vendas de Angola a Portugal entre janeiro e julho deste ano totalizaram mais de 600 milhões de euros, o que representa uma subida de 416% face aos 116,1 milhões de euros em bens vendidos por Angola a Portugal nos primeiros sete meses de 2017.

Olhando para a série longa, desde 2000, constata-se que as importações de Portugal a Angola atingiram, em 2007, apenas 10% do volume de compras feitas antes da queda dos preços do petróleo, a partir de 2014, e que as exportações portuguesas para Angola são pouco mais de metade do que eram antes da última crise petrolífera.

A Lusa contactou a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) pedindo um comentário à evolução dos números ao longo dos últimos anos, mas ninguém esteve disponível para analisar a evolução das trocas comerciais entre os dois países.

Os números estabelecem um nexo de causalidade, mas constata-se que desde a última visita de um primeiro-ministro português a Angola (José Sócrates, em 2006), as exportações registaram uma tendência de subida, apenas interrompida com a crise económica mundial de 2008, que fez cair o comércio mundial.

Assim, as exportações portuguesas para Angola passaram de 1,2 mil milhões, em 2006, para 2,2 mil milhões de euros em 2009, descendo para 1,9 em 2010 e continuando depois a subir a partir de 2011, para alcançarem o valor máximo de 3,1 mil milhões em 2014.

Os anos subsequentes à crise financeira mundial e durante a intervenção da ‘troika’ em Portugal, em que as empresas encontraram no mercado externo a solução para a recessão do consumo, foram de grande expansão das exportações para Angola, mas é notório o impacto da descida dos preços do petróleo, a partir do verão de 2014.

Nesse ano, as exportações ainda subiram, de 3,112 mil milhões de euros em 2013, para 3,178 em 2014, mas desceram significativamente para 2,1, em 2015, e para 1,5 no ano seguinte, tendo depois começado a recuperar para 1,7 mil milhões de euros no ano passado.

As compras de Angola a Portugal, por seu turno, estão em queda acentuada desde 2013, ano em que chegaram a 2,6 mil milhões de euros, e que quase desequilibraram a balança comercial, que foi favorável a Portugal em apenas 480 milhões de euros.

Em 2014, com o petróleo em mínimos históricos desde esse verão, Angola comprou a Portugal bens no valor de 1,6 mil milhões, o que compara com os mais de 2,6 mil milhões comprados no ano anterior, mas 2015 seria ainda pior, com vendas de apenas 1,1 mil milhões, e depois em 2016 e 2017 os valores caíram ainda mais, para 809 milhões e para 278,9 milhões.

As vendas de Angola a Portugal, no ano passado, não eram tão baixas desde 2006, ano em que as empresas portuguesas compraram apenas 52 milhões de euros às congéneres angolanas.

A recuperação da economia angolana, que este ano deve crescer cerca de 3%, depois de dois anos de recessão, não tem ainda reflexo no número de exportadores portugueses que, depois da crise, voltaram ao país: em 2014 havia 9.431 empresas exportadoras registadas no INE, número que foi caindo nos anos seguintes até chegar a 5,838 no ano passado, muito longe das quase 9.400 registadas em 2013.

Ler mais
Recomendadas

Itália prestes a conhecer veredito final de Bruxelas sobre Orçamento

Bruxelas irá publicar a sua avaliação aos orçamentos de todos os Estados-membros e a economia italiana concentra as atenções europeias, depois da Comissão Europeia ter tomado, a 23 de outubro, a decisão inédita de rejeitar o OE2019 proposto pelo governo italiano.

UE alcança acordo para escrutinar o investimento de países terceiros

Este acordo acontece dois meses depois de o Parlamento Europeu ter manifestado preocupação com os investimentos chineses na UE, que podem “pôr em causa os interesses estratégicos”, defendendo a partilha de dados entre os Estados-membros e com as instituições comunitárias.

Borba: resgatado corpo de uma das duas vítimas

Corpo já recuperado é de um dos dois operários da empresa que explora a pedreira.
Comentários