Volume de negócios nos serviços desacelerou 0,2% em dezembro de 2018

No mês de novembro a taxa havia sido de 2,3%, contudo, no quarto trimestre do último ano registou-se um crescimento de 2,5% face ao mesmo período de 2017 (5,6% no trimestre anterior).

O volume de negócios nos serviços registou uma variação homóloga nominal de 0,2% em dezembro de 2018, face aos 2,3% do mês anterior, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta terça-feira.

No entanto, no quarto trimestre do último ano verificou-se um crescimento de 2,5% face ao mesmo período de 2017 (5,6% no trimestre anterior). No total anual de 2018, o índice de volume de negócios nos serviços subiu 5,0%,mas com uma taxa inferior a 1,7 pontos percentuais em relação ao registado no ano de 2017.

O setor que mais influenciou esta desaceleração foi o Comércio por grosso; reparação de veículos automóveis e motociclos, que passou de uma taxa de variação de 1,8% em novembro para -2,0% em dezembro. Já o alojamento, restauração e similares foram os principais responsáveis pelo aumento do índice total, registando uma variação homóloga de 9,0%, (1,9% de novembro).

No que toca ao índice de emprego nos serviços os dados do INE mostram uma variação homóloga de 0,7% em dezembro de 2018 (1,4% no mês anterior). A taxa de variação média dos últimos 12 meses foi de 2,5% (3,6% em 2017). Já a variação mensal deste índice passou dos -0,2% em novembro para os -1,0% em dezembro. Em relação aos mesmos meses de 2017, as variações fixaram-se em -0,1% e -0,3%, respetivamente.

Por seu turno, o índice de remunerações efetivamente pagas registou em termos homólogos um crescimento de 2,9% em dezembro, valor inferior em 5.5 p.p. ao mês anterior. Em termos anuais este índice verificou um aumentou médio de 5,5% (5,2% em 2017). Face ao mês anterior, o índice de remunerações nos serviços registou uma variação negativa de 6,5% (-1,5% em dezembro de 2017).

Por último o índice de volume de trabalho, cuja medição é feita pelo número de horas trabalhadas ajustadas dos efeitos de calendário, teve um crescimento homólogo de 4,6%, com uma variação nula em novembro último. A variação média deste índice foi de 2,3% em 2018 (2,9% em 2017). Já a variação mensal obteve resultados negativos de 1,3% em dezembro, uma taxa superior em 4,4 p.p. à registada no período homólogo de 2017.

Ler mais
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários