Wall Street abre em queda no dia em que entram em vigor as tarifas dos EUA/China

Os principais índices norte-americanos iniciaram a sessão em ambiente de correção, no dia em que entram hoje em vigor as novas tarifas dos EUA e China. Petróleo dispara.

Os principais índices norte-americanos iniciaram a sessão em ambiente de correção, no dia em que entram hoje em vigor as novas tarifas dos EUA e China. Segundo a imprensa, o país asiático terá abandonado as conversações com os EUA até depois das eleições intercalares de novembro.

O analista do Millennium BCP Investimento destaca, no plano empresarial, na “queda da Comcast após ter ganho a corrida pela compra dos ativos da Sky. Já a Alexion Pharmaceuticals mostra-se animada com fase 3 de medicamento”, diz Ramiro Loureiro.

O Dow Jones cai 0,30% para 26.663,2 pontos; o S&P 500 desce 0,33% para 2.920,1 pontos e o Nasdaq  está a cair 0,50% para 7.947,4 pontos.

Já o setor energético responde bem à subida dos preços do petróleo, motivada pela falta de pressa dos membros da OPEP em aumentar produção. As ações da ExxonMobil sobem 1,97%.

Segundo o BCP os membros da OPEP mostram não terem pressa em aumentar produção. O Presidente norte-americano tinha pedido medidas para contenção na escalada da cotação do petróleo mas na reunião do último fim de semana a Arábia Saudita e a Rússia descartaram um aumento adicional imediato na produção. Os preços do petróleo estão hoje a reagir com nova escalada, avançando 1,77% neste início de dia nos mercado americano (WTI está nos 72,06 dólares) e 2,26% em Londres com o Brent a cotar nos 80,58 dólares.

O euro sobe 0,49% face ao dólar para 1,1806 dólares. Segundo os analistas do Bankinter, na semana passada o dólar depreciou, entre outros motivos, pela falta de acordo com o Canadá. “Nos próximos dias provavelmente irá recuperar alguma força, pela subida das taxas por parte da Fed e pelos dados do PIB americano no 2º trimestre de 18 (+4,2% preliminar)”, dizem. A reunião da Fed é na próxima quarta-feira.

Ler mais
Relacionadas

Ganhos da Galp e da EDP levam PSI 20 a contrariar sentimento negativo na Europa

A maioria das praças europeias reage de forma negativa à indisponibilidade da China para dialogar com os EUA sobre a guerra comercial. A bolsa de Lisboa está em destaque pela positiva, no entanto, com a Galp a brilhar devido ao disparo do preço do Brent.

OPEP e perspetiva de queda na oferta levam preço do petróleo a superar os 80 dólares por barril

A cotação do barril de Brent está em máximos de maio após o cartel OPEP e outros produtores terem rejeitado o apelo de Trump sobre um aumento da produção. As sanções norte-americanas ao Irão também impulsionam o preço, que poderá ultrapassar os 100 dólares no início de 2019, segundo os analistas.

Concorrência do Brasil aprova sem restrições OPA da China Three Gorges sobre a EDP

O CADE analisou o impacto desta concentração ao nível da Geração, Distribuição, Transmissão e Comercialização de Energia Elétrica e concluiu que não altera em nenhum dos casos significativamente a estrutura dos mercados.

China rejeita diálogo sobre guerra comercial enquanto Trump mantiver ameaça de novas tarifas

Num documento publicado na agência de notícias estatal Xinhua, a China diz que as negociações precisariam de um “ambiente de respeito mútuo”. As mais recentes tarifas impostas por Trump às importações chinesas entraram em vigor esta segunda-feira.
Recomendadas

Ações americanas levam rendibilidades dos fundos acima dos 6%

Apenas cinco fundos de investimento mobiliário (FIM) conseguiram rendibilidades anualizadas brutas acima dos 6% e todos estão expostos a ações americanas. Os dados referem-se a novembro último e são da APFIPP.

Quer investir as poupanças? Descubra o seu perfil de investidor

Antes de fazer qualquer investimento, conheça o seu perfil de investidor. Saiba o que é, para que serve e qual é o perfil que se adequa aos seus objetivos.

Wall Street fecha em queda acentuada com taxa de desemprego nos 3,7%

A NYSE fecha com a maior queda desde março. Os novos dados económicos desiludiram os investidores. O petróleo sobe com o acordo da OPEP.
Comentários