Wall Street abre no ‘vermelho’ com minutas da Fed no horizonte

Principais índices norte-americanos abriram a sessão em terreno negativo influenciados sobretudo pelos resultados da IBM e pela cautela a propósito das minutas da Fed.

Crash de 25% em Wall Street

Os três principais índices bolsistas nacionais iniciaram a sessão desta quarta-feira a perder, devido às minutas da Fed que ainda serão reveladas sobre a sua política de subida dos juros, que poderá ocorrer pela quarta vez este ano. Também os resultados da IBM estão a pressionar Wall Street.

O industrial Dow Jones começou a perder 0,50%, para 25.668,67 pontos; o financeiro S&P 500 a ceder 0,08%, para 2.807,76 pontos. Por oposição, o tecnológico Nasdaq avança 0,14% para 7.656,570 pontos.

Os investidores estão a comportar-se com base na expetativa pela divulgação, ainda hoje, das atas relativas à reunião da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), que foi realizada em setembro e que resultou no terceiro aumento dos juros em 2018.

A IBM apresentou hoje uma queda nas receitas superior ao estimado e a tecnológica começou a sessão afundar 7,38%, para 134,43 dólares.

Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs e perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários