Wall Street abre no ‘vermelho’ com Nasdaq a liderar quedas

Os principais índices norte-americanos abriram a última sessão da semana em queda, interrompendo um ciclo de cinco sessões consecutivas a valorizar.

Crash de 25% em Wall Street

Wall Street abriu a última sessão desta semana com quedas generalizadas nos três principais índices, após cinco sessões consecutivas a subir, um rally que não acontecia desde outubro.

Assim, o Nasdaq abriu a cair 0,56% para 6.600 pontos, a liderar as perdas, enquanto o Dow Jones (23.888 pontos) e o S&P 500 (2.586 pontos) estão a desvalorizar 0,22% e 0,53% respetivamente.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) dos EUA caiu para 1,9% em dezembro, de acordo com dados publicados nesta sexta-feira pelo Departamento do Trabalho dos EUA, o que tem impacto no dólar. Este dado adiciona conforto à tese de que em 2019 a Fed pode optar por não subir juros, uma opinião que vem ganhando força entre os analistas.

“Sem que haja progressos, o shutdown avança para o 21ºdia, igualando a maior série na história americana (dezembro de 1995 a janeiro de 1996)”, realça Ramiro Loureiro, analista de mercados da Millennium investment banking.

No que diz respeito à guerra comercial, a imprensa garante que o vice primeiro-ministro chinês tem visita marcada para os EUA nos dias 30 e 31 de janeiro, pelo que um entendimento poderá estar próximo, de acordo com os analistas.

No mundo empresarial, GM traz ânimo ao setor automóvel após prever um crescimento inesperado dos lucros em 2019. Activision Blizzard tombava mais de 9% após cedência de um jogo.

 

Ler mais
Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários