Wall Street acelera para território de correcção

Os próximos dias serão importantes para perceber qual a consistência do sentimento.

Esta quarta-feira, 26 de Fevereiro, deixei em aberto a pergunta sobre se a recuperação que os índices norte-americanos evidenciavam pouco depois do ínicio da sessão seriam mantidos durante muito tempo.

A resposta não tardou e Wall Street acabou o dia no vermelho, embora as perdas não tivessem sido expressivas. Contudo, hoje o panorama é bem diferente. O sentimento foi desde logo bastante pessimista à entrada para a sessão com desvalorizações superiores a -1%, onde se inclui uma tentativa de recuperação matinal que falhou.

Um dado importante a ter em conta, visto que, por ora, a tendência é claramente negativa e as perdas ascenderam a mais de -3%, com os principais índices em território oficial de correcção, ou seja com um deslize superior a -10% desde os máximos históricos. Máximos esses que foram atingidos há apenas seis dias, ou seja mantém-se a tradição das quedas serem geralmente muito mais rápidas que as subidas.

De realçar que o S&P 500 está numa zona muito importante, em redor dos 3.00 a 3.020 pontos, local dos máximos de Agosto e Setembro do ano passado, que poderão agora funcionar como uma zona de algum suporte extra.

Nos sectores, as energéticas são claramente as que mais perdem valor, com uma queda de cerca de -5%, em linha com o registo de -4,5% no preço do WTI crude, enquanto que tecnológicas, materiais e industriais surgem logo atrás, com deslizes de -3% e correcções superiores a -10% desde os máximos de há uns dias.

Reforço a ideia de que esta zona é de especial importância com vista a aferir se o capital está disponível para entrar nestes níveis como tem acontecido nos últimos anos, e no curto prazo parece existir algum interesse, dado que o S&P 500 encontrou suporte na linha dos 3.000, tal como referi acima. Mas a situação é volátil e poderá ser sol de pouca dura.

É preciso alguma cautela, nomeadamente com a volatilidade.

O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é de 1 hora.

 

 

O principal índice accionista está a tentar efectuar um duplo fundo em cima da linha de suporte, o que é um sinal bullish de muito curto prazo.

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários