Wall Street arranca em baixa com queda do petróleo

Os principais índices da bolsa de Nova Iorque estão a cair cerca de 1,40%.

Reuters

Os mercados financeiros norte-americanos abriram a sessão desta quinta-feira, dia 6 de dezembro, em terreno negativo. A bolsa de Nova Iorque, à semelhança das praças europeias e asiáticas, está a ser marcada pela queda do petróleo e por receios perante a deteção da diretora financeira da Huawei – ordenada pelos Estados Unidos e com a desaprovação da China, o que poderá desencadear novamente desentendimentos entre as duas potências mundiais.

Entre os principais índices bolsistas norte-americanos, o industrial Dow Jones recuou 1,54%, para os 24.641,60 pontos, e acompanhando estes números em baixa, o alargado S&P 500 perde 1,46%, para os 2.660,58 pontos. Na mesma linha, o tecnológico Nasdaq desliza 1,44%, para os 7.055,39 pontos. Já o Russell 2000 desvaloriza 1,49%.

“O setor tecnológico é o que está sob a maior pressão, depois de uma fabricante taiwanesa de lentes para smartphones ter reportado uma forte queda nas receitas em novembro, deixando as fornecedoras da Apple em alerta e castigando a própria fabricante do iPhone. Os sentimentos em torno da guerra comercial EUA/China estão “à flor da pele” e isso traz volatilidade aos mercados. A yield curve quase flat para maturidades de 2,3,5 e 7 anos é outro ponto a condicionar”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

O Facebook desliza 1,70%, para 135,59 dólares, depois de deputados britânicos terem mostrado emails de executivos do Facebook que mostram que a gigante tecnológica permitia o acesso a dados de utilizadores a aplicações se estas aumentassem a interação com a rede social criada por Mark Zuckerberg.

A definir a atenção dos investidores está também a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que decorre na cidade de Viena, em Áustria. A cotação do barril de Brent recua 1,64%, para 60,55 dólares, enquanto a cotação do crude WTI perde 2,06%, para 51,80 dólares por barril. Segundo assinalam os analistas do CaixaBank/BPI Research, depois de o petróleo ter perdido 20% ao longo deste mês, o cartel está pressionado em reduzir a produção.

“Nos últimos dois meses, o mercado petrolífero sofreu uma profunda alteração de perceções da relação entre a oferta e a procura. Até ao início desse mês, os investidores acreditavam que a oferta deveria corresponder sensivelmente à procura durante o próximo ano. No entanto, os crescentes sinais de abrandamento da economia global aliados ao facto de quase todos os principais produtores operarem na sua capacidade máxima conduziu muitos investidores a anteciparem uma oferta excessiva que os induziu a vender”, referem.

Quanto ao mercado cambial, nota para a apreciação de 0,43% do euro face ao dólar (1,1393) e para a valorização de 0,38% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2782).

Estados Unidos ordenam prisão da diretora financeira da Huawei

Ler mais
Relacionadas

De ‘Waal Straat’ aos salários de seis dígitos. Sete curiosidades sobre Wall Street

“O gato morto saltou” é uma das expressões típicas utilizadas por quem trabalha em Wall Street. Há outras curiosidades que explicam a história e a dinâmica da segunda maior praça financeira do mundo.

Bolsas europeias a ‘vermelho’. Petróleo recua 3%

A EDP perde 1,35%, para 3,06 euros, depois de a Fitch anunciar que manteve o rating de longo prazo de “BBB-” e de curto prazo de “F3” da EDP e da EDP Finance BV. A mesma agência de notação financeira subiu hoje o rating do BCP (-2,09%), mas manteve-o em ‘lixo’.
Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários