Wall Street negoceia em alta à espera da Fed

Amanhã, quarta-feira, termina a reunião da Fed, que deverá anunciar o rumo da política monetária norte-americana. O mercado não espera alterações relativamente às taxas de juro.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão desta terça-feira a negociar em alta no dia em que começa a reunião de dois dias da Reserva Federal norte-americana.

O S&P 500 valoriza 0,42%, para 2.844,79 pontos; o tecnológico Nasdaq sobe 0,44% para 7.358,28 pontos; e o industrial Dow Jones ganha 0,48%, para 26.037,91 pontos.

No entanto, os investidores estarão atentos às projeções da Fed sobre o crescimento da economia.

A seguir ao toque do sino, a banca foi o setor que mais impulsionou Wall Street. O JP Morgan e o Goldman Sachs abriram a subir 1% e 1,3%, respectivamente.

No setor tecnológico, destaque para as empresas produtoras de semi-condutores. A Advanced Micro Devices subiu 3%, a Micron valorizou 1,7% e a Qualcomm avançou 1,1%.

Destaque negativo para as ações da Tesla que iniciaram a sessão a desvalorizar 1,9%. A SEC disse a um juiz que Elon Musk violou o acordo firmado no ano passado com o regulador do mercado bolsista norte-americano por ter falado da Tesla no Twitter sem autorização prévia.

Nas matérias-primas, o Brent, referência para o mercado europeu, sobe 0,43% para 67,83 dólares. Nos EUA, o West Texas Intermediate  valoriza 0,29%, para 59,26 dólares.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Grão a grão, enche a galinha o papo em Wall Street

Goldman Sachs e Citigroup beneficiaram da notícia que deu conta que ambos os grupos financeiros estão a colaborar na mega fusão entre o Deutsche Bank e o Commerzbank.

Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank animou Wall Street em véspera de reunião da Fed

No Dow, destaque para a Boeing que não acompanhou a tendência de subida. A construtora de aviões norte-americana caiu 2% e desde da queda do voo da Ethiopian Air já acumulou perdas de mais 10%.

Reserva Federal: começa a reunião que não deverá trazer mudanças nos juros

Na primeira reunião, em finais de janeiro, o presidente da Fed, Jerome Powell, afirmou que o banco central pode ser “paciente” e “flexível” no ritmo de ajustamento monetário, numa altura em que há uma desaceleração do crescimento global.
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários