Wall Street encerra no ‘verde’ pelo quinto dia consecutivo

Com o desempenho positivo desta quinta-feira, Wall Street encerra no ‘verde’ pelo quinto dia consecutivo. Investidores tiveram um sentimento misto depois da retalhista Macy’s ter emitido um profit waring, embora os comentários do presidente da Reserva Federal norte-americana tenham aliviado o sentimento.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 5, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Wall Street teve uma sessão positiva com os três principais índices da bolsa de Nova Iorque terem invertido a trajetória descendente com que se abriu a sessão. O S&P 500 subiu 0,48% para 2.597,42 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 0,31%, para 6.620,94 pontos; e o industrial Dow Jones ganhou 0,49%, para 23.997,24 pontos.

Com o desempenho positivo desta quinta-feira, Wall Street encerra no ‘verde’ pelo quinto dia consecutivo. Durante a sessão, os investidores tiveram um sentimento misto depois da retalhista Macy’s ter emitido um profit waring, embora os comentários do presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, que reiterou que a paciência deve guiar o rumo da política monetária norte-americana no que diz respeito às subidas das taxas de juro, tenham aliviado o sentimento.

A Macy’s chegou a perder 18%.

O presidente da Fed também revelou que os balanços dos bancos deveriam “substancialmente mais pequenos” e levantou ainda preocupações em relação ao montante da dívida soberana norte-americana, noticiou a agência Reuters. Em face destas declarações, algos dos principais índices chegaram a negociar em terrenos negativos.

Em declarações àquela agência noticiosa, a vice-presidente da consultora Charles Schwab, Randy Frederick, disse que as declarações de Jerome Powell “assustaram os mercados” e que constituíram uma espécie de “comentário sobre a economia” norte-americana.

De realçar que o S&P 500 recuperou depois de, em dezembro, ter tocado em mínimos de 20 meses, na véspera de Natal. Desde então, este índice já recuperou 10%, em parte devido às expectativas em torno de um acordo comercial entre os Estados Unidos e a China.

A volatilidade marcou o dia nas matérias-primas, mas, aquando do fecho da sessão de Wall Street, o “ouro negro” estava a recuperar, depois de ter estado a desvalorizar a meio dia dia. O Brent, referência mundial e para o mercado europeu está a subir 0,36%, para 61,66 dólares, enquanto nos EUA, o West Texas Intermediate está a valorzar 0,53%, para 52,64 dólares.

 

Ler mais
Relacionadas

Wall Street inverte trajetória ascendente e abre com perdas

Paira a incerteza em torno do desfecho das negociações comerciais entre os EUA e a China, penalizando o sentimento dos investidores. Na economia norte-americana, destaque para os relatórios dos resultados do retalho relativos à época de Natal, aquém das expectativas.

Wall Street soma e segue. S&P já recuperou 9,5% desde o Natal

É a quarta sessão consecutiva de ganhos que estão a acompanhar as expectativas otimistas em torno de um acordo comercial entre as duas maiores potências económicas mundiais, os Estados Unidos e a China.
Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários