Wall Street fecha em alta com recuperação do Deutsche Bank

Notícia de que existirá um acordo para redução da multa até aos 4,4 mil milhões de euros contribuiu para a recuperação dos mercados.

Brendan McDermid/Reuters
Ler mais

Depois de ser noticiado pela agência France Presse o acordo conseguido pelo Deutsche Bank para pagar apenas 4,4 mil milhões do total de 12,5 mil milhões de euros de multa anunciada pelas autoridades norte-americanas, Wall Street registou fecho em alta, num contexto de recuperação dos títulos do banco alemão após estes terem passado por novo mínimo histórico com cada papel a valer menos de 10 dólares.

“Os rumores acerca de um acordo melhorado para o Deutsche Bank exercem efeitos positivos no mercado”, comentou Jonathan Corpina, senior managing partner da Meridian Equity Partners de Nova Iorque, citado pela agência Reuters. “Penso que os investidores estavam receosos e preocupados com aquilo que poderia resultar caso não acontecesse isso”, acrescentou.

O S&P 500 chegou a uma subida de 1,4%, o melhor resultado dos últimos dois meses, embora fechasse a evoluir 0,80% para os 2,168.27 pontos, enquanto o Nasdaq crescia 0,81% para 5,312.00 e o Dow Jones atingia melhoria de 0,91% até aos 18,308.15 pontos. Tratou-se da terceira semana consecutiva com comportamento positivo para os três índices.

O setor bancário registou enorme impulso e alavancou o S&P 500 com Bank of America e Citigroup a registarem evoluções acima de 3%, enquanto o JP Morgan crescia 1,4%.

Já o Goldman Sachs registava melhoria de 1,5%.

Oito dos 11 setores fecharam com sinal verde, destacando-se o energético com 1,3%, num cenário em que os preços do petróleo obtinham fortes ganhos semanais.

 

 

Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários