Wall Street fecha em alta

Os dados sobre a inflação serão publicados nesta quarta-feira e o consenso espera que o IPC de janeiro aumente 0,3% e que a taxa de inflação homóloga baixe para 1,9% em relação aos 2,1% anteriores.

Lucas Jackson/Reuters

Depois de ter aberto em queda e de ter-se debatido toda a sessão com oscilações entre ganhos e perdas, eis que a bolsa mais famosa do mundo fechou em terreno positivo.

O Dow Jones fechou com ganhos de 0,16% para os 24.640,5 pontos; o Nasdaq ganhou 0,45% e regressou a um valor acima dos 7.000 pontos (7.013, 5 pontos) e o S&P 500 valorizou 0,26% para 2.662,9 pontos.

As ações da Cisco (+1,55%) lideraram o Dow. Já as da DowDuPont foram as que mais caíram (-1,52%).

No Nasdaq as ações da Zion Oil & Gas subiram 86,96%, e a maior queda coube à Dare Bioscience que caiu 39,78%.

A Autoridade Reguladora da Indústria Financeira (FINRA) está a investigar se houver manipulação do índice VIX que marca a volatilidade do mercado. Segundo o WSJ a investigação centra-se nas apostas nas opções S & P 500 que poderão ter sido feitas para influenciar os preços dos futuros VIX.

Hoje a sessão foi marcada pelo discurso do novo responsável pela política monetária dos EUA, Jerome Powell, que disse hoje em Washington que a Fed ia permanecer atenta “a qualquer risco” para a “estabilidade financeira”.

A Fed continuará a vigiar os riscos que ameaçam a estabilidade financeira e vai também preservar melhorias “essenciais” na regulamentação financeira que vêm a ocorrer desde a crise de 2007-2009.

“Estamos num processo de normalização gradual tanto da política de taxas de juro como do nosso balanço, com uma perspectiva de expandir a recuperação e de assegurar o cumprimento dos nossos objectivos”disse Jerome Powell esta terça-feira, 13 de Fevereiro, durante a cerimónia de juramento do cargo.

Hoje também a presidente da Fed de Cleveland disse que as turbulências recentes dos mercados financeiros estão muito longe de afectar a economia.

No curto prazo, um dos dados que podem condicionar o curso do mercados de ações norte-americano é o indicador da inflação do mês de janeiro nos Estados Unidos. Para os especialistas, se os preços aumentarem mais do que o esperado, isso “poderá levar a novas quedas de alguma magnitude nas ações (e também no mercado de renda fixa, com o consequente aumento das taxas de rendibilidade – yields)”.

Os dados sobre a inflação serão publicados nesta quarta-feira e o consenso espera que o IPC de janeiro aumente 0,3% e que a taxa de inflação homóloga baixe para 1,9% em relação aos 2,1% anteriores. O consenso prevê também que a inflação subjacente, sem alimentos ou energia, irá diminuir 0,2%; e que a taxa interanual cairá para 1,7%.

Estes dados são muito relevantes por vários motivos. Em dezembro, a inflação subjacente recuperou um décimo mais do que o esperado e foi o primeiro sinal de pressões inflacionistas recebido pelos investidores norte-americanos desde há um longo período de tempo a esta parte. Posteriormente, o Relatório de Emprego de janeiro mostrou o maior aumento nos salários desde 2009, que acabou por pôr os operadores nervosos e desencadeou a primeira correção de mais de 5% em Wall Street na semana passada, desde junho de 2016.

A Agência Internacional de Energia (AIE) reviu ligeiramente em alta a previsão de procura global de petróleo para este ano

A AIE insistiu que os fundamentos do mercado são menos favoráveis para manutenção da tendência altista do preço do barril, que chegou nos últimos meses a alcançar os 70 dólares, essencialmente devido à evolução dos Estados Unidos e, em particular, os depósitos de xisto.

Os autores do estudo aumentaram as suas expectativas sobre a procura de petróleo para uma média de 99,2 milhões de barris diários em 2018.

Isto significa 100.000 barris diários a mais do que tinham antecipado em janeiro. Mas o aumento da extração de produtores que não pertencem à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPE), em particular dos Estados Unidos, está no bom caminho para compensar o aumento da procura.

O crude WTI cai 0,57% para os 58,95 dólares o barril. Ao passo que o Brent em Londres desce 0,10% para 62,53 dólares.

(atualizada)