Wall Street fecha mista à espera das conversações entre os Estados Unidos e a China

Apesar de algum otimismo dos investidores para o resultado das conversações que ocorrerão esta semana entre os responsáveis norte-americanos e chineses no âmbito da guerra comercial, o mercado refreou os ganhos e o Dow Jones fechou em queda.

Lucas Jackson/Reuters

Wall Street fechou com sinal misto com o Dow Jones a cair -0,21% para 25.053,11 pontos; o Nasdaq a subir + 0,13% para 7.307,9 pontos e o S&P 500 com ganho ligeiro de + 0,07% para os 2.709,9 pontos.

Mais uma vez os investidores foram influenciados pelas expectativas em relação à guerra comercial EUA-China. No final desta semana (14 e 15 de fevereiro), as duas maiores economias do mundo devem reunir-se novamente. O governo de Trump revelou que ambos os líderes podem selar um acordo definitivo em março nos EUA, mas ainda há incógnitas no horizonte.

As preocupações relativas às negociações comerciais entre as duas potências, além do medo de uma desaceleração económica global, travam os ímpetos dos investidores.

Na frente de empresas, a Walt Disney (-1,89%) e UnitedHealth (-1,82%) foram os títulos que mais caíram no Dow Jones, enquanto a Nike (+ 1,59%) e a Cisco Systems (+ 0,83%). %) lideraram os ganhos no índice.

Além disso, a fabricante de carros elétricos Tesla  recuperou 2,3% após os especialistas da Canaccord terem subido a recomendação de “manter” para “comprar”, dizendo que o mercado está a subvalorizar a empresa.

Noutros mercados, o petróleo do West Texas cai 0,61%, para 52,40 dólares. Já o Brent desce 0,97% em Londres para 61,50 dólares.

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha sem tendência definida

Dados económicos e Fed voltam a confundir investidores: a Reserva Federal, depois de ter decidido baixar as taxas de juro em 25 pontos base, mantém “todas as opções em aberto”.

Bolsa de Lisboa fecha com subida ligeira em contraciclo com a Europa

Entre os principais índices europeus, os da Península Ibérica destacaram-se.

Wall Street em alta com olhos postos no discurso do presidente da Fed

O presidente da Fed, Jerome Powell, terá a oportunidade de desenvolver o que levou o banco central a cortar as taxas de juro em 25 pontos base na última reunião de julho.
Comentários