Wall Street fecha mista à espera das conversações entre os Estados Unidos e a China

Apesar de algum otimismo dos investidores para o resultado das conversações que ocorrerão esta semana entre os responsáveis norte-americanos e chineses no âmbito da guerra comercial, o mercado refreou os ganhos e o Dow Jones fechou em queda.

Lucas Jackson/Reuters

Wall Street fechou com sinal misto com o Dow Jones a cair -0,21% para 25.053,11 pontos; o Nasdaq a subir + 0,13% para 7.307,9 pontos e o S&P 500 com ganho ligeiro de + 0,07% para os 2.709,9 pontos.

Mais uma vez os investidores foram influenciados pelas expectativas em relação à guerra comercial EUA-China. No final desta semana (14 e 15 de fevereiro), as duas maiores economias do mundo devem reunir-se novamente. O governo de Trump revelou que ambos os líderes podem selar um acordo definitivo em março nos EUA, mas ainda há incógnitas no horizonte.

As preocupações relativas às negociações comerciais entre as duas potências, além do medo de uma desaceleração económica global, travam os ímpetos dos investidores.

Na frente de empresas, a Walt Disney (-1,89%) e UnitedHealth (-1,82%) foram os títulos que mais caíram no Dow Jones, enquanto a Nike (+ 1,59%) e a Cisco Systems (+ 0,83%). %) lideraram os ganhos no índice.

Além disso, a fabricante de carros elétricos Tesla  recuperou 2,3% após os especialistas da Canaccord terem subido a recomendação de “manter” para “comprar”, dizendo que o mercado está a subvalorizar a empresa.

Noutros mercados, o petróleo do West Texas cai 0,61%, para 52,40 dólares. Já o Brent desce 0,97% em Londres para 61,50 dólares.

 

Ler mais
Recomendadas

Euronext: “Este modelo de supervisão prejudica o mercado de capitais”

A presidente da Bolsa, Isabel Ucha, diz que proposta do Governo para a reforma da supervisão financeira duplica as entidades e torna Portugal no único país com tal complexidade e custos.

Tecnologia tornou trading mais acessível aos investidores

A transformação digital, no que diz respeito ao acesso à tecnologia por parte do utilizador e à inovação das próprias plataformas, tem permitido uma maior caracterização do ativo que se está a comprar.

Arábia Saudita considera que petróleo deve ser “bem equilibrado” este ano

O assessor do ministro da Energia da Arábia Saudita, Ibrahim al-Muhanna, afirmou esta sexta-feira que é possível que os cortes na produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) venham a estender-se até ao final do ano.
Comentários