Wall Street fecha mista com Nasdaq em máximos

O Nasdaq fechou em alta em contramão com os restantes índices. Os investidores aguardam os indicadores gerais da inflação que serão publicados nesta terça-feira. O consenso espera que o IPC de fevereiro aumente 0,2%, para uma taxa anual de 2,2%, e que a inflação subjacente mensal aumente 0,2%, para 1,8% na comparação anual.

Ler mais

O Nasdaq continua a definir recordes e fechou esta segunda-feira em 7.588,3 pontos (+ 0,36%), embora o Dow Jones tenha caído 0,62% para 25.178,6 pontos e o S&P 500, caiu 0,13% para 2.783,02 pontos. A hora mudou nos Estados Unidos e por isso a bolsa fechou às 20h30 da hora de Lisboa.

O Nasdaq valoriza desde o inicio do ano 10,2%.

Os investidores receberam com renovado otimismo os dados de emprego publicados na última sexta-feira nos EUA, uma vez que a criação de emprego permaneceu sólida, a taxa de participação no mercado de trabalho aumentou e, ao mesmo tempo, as pressões inflacionistas nos salários abrandaram.

Os investidores aguardam agora os indicadores gerais da inflação que serão publicados nesta terça-feira. O consenso espera que o IPC de fevereiro aumente 0,2%, para uma taxa anual de 2,2%, e que a inflação subjacente mensal aumente 0,2%, para 1,8% na comparação anual.

A General Eclectric subiu 1,07%, ao passo que a Apple ganhou 0,97% e o banco Goldman Sachs ganhou 0,96% no Dow Jones.

Nas quedas destacou-se a Boeing a perder 2,91%; a Caterpillar a cair 2,37%; a United Technologies a desvalorizar 1,92%, a American Express a deslizar 1,39%, entre outras.

O euro subiu hoje 0,03% face ao dólar para 1,2338 dólares.

O petróleo caiu no mercado norte-americano 1,06% para 61,38 dólares e o Brent de Londres perdeu 0,78% para 64,98 dólares.

 

Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários