Wall Street fecha mista com ‘olhos postos’ em Jerome Powell

Os investidores estarão atentos sobre possíveis sinais de evolução das taxas de juro, um tema que tem determinado os movimentos nos mercados de ações.

Brendan McDermid/Reuters

O S&P 500 subiu 0,13% para 2.979,70 pontos; o Dow Jones caiu 0,08% para 26.783,5 pontos e o Nasdaq valorizou 0,54% para 8.141,7 pontos.

Os investidores estão expectantes com o discurso do presidente do banco central (Fed), Jerome Powell, que irá amanhã comparecer no Congresso. O objetivo é encontrar pistas para o próximo movimento de política monetária da Fed.

Os investidores estarão atentos sobre possíveis sinais de evolução das taxas de juro, um tema que tem determinado os movimentos nos mercados de ações.

No universo empresarial destaque para o apelo da Qualcomm, para a aquisição efetuada pela Cisco e revisões em baixa da 3M e da Marriott International.

Em termos macroeconómicos hoje foi conhecido o índice Redbook de vendas do retalho e que se situou em 6,2%, o que compara com os 5,5% anteriores.

Destaque ainda para  as vagas de emprego nas empresas nos Estados Unidos que diminuíram 0,7% em maio e as contratações recuaram 4,4%, anunciou hoje o Departamento do Trabalho, sinalizando que o dinamismo do mercado laboral pode estar a arrefecer ligeiramente.

As empresas apresentaram 7,3 milhões pedidos de emprego no mês de maio, mas contrataram apenas 5,7 milhões de pessoas, isto é, abaixo do recorde dos seis milhões atingidos no mês de abril.

O relatório sugere, no entanto, que os empresários mantêm-se otimistas face ao desempenho da economia norte-americana, embora o ritmo de evolução da contratação tenha diminuído, numa década em que o desempenho da atividade económica permitiu reduzir a taxa de desemprego no país.

Na sexta-feira, o Governo norte-americano comunicou que as empresas não agrícolas criaram 224.000 empregos em junho e que a taxa de desemprego aumentou ligeiramente para 3,7%.

No mercado das commodities destaque para o crude West Texas que subiu 0,64% para 58,03 dólares o barril.

 

Ler mais
Relacionadas

Bancos centrais entram em palco

Sem grandes alterações no cenário para hoje não é de esperar movimentações relevantes nos principais mercados, a menos claro que um qualquer tweet de Trump altere esse pressuposto.

Economista-chefe da Moody’s alerta: se a Fed não cortar as taxas de juro, os mercados vão cair

John Lonski, economista-chefe da Moody’s, diz que o presidente da Fed terá de apresentar “uma razão forte” que sustenha a decisão de o banco central não baixar as taxas de juro na reunião que se realizará no final de julho. Caso contrário, alertou, “os mercados vão cair”.

Sob promessa de baixar taxa de juro para 0%, Trump nomeia Judy Shelton para a Fed

A assessora económica Donald Trump durante a sua campanha às eleições presidenciais norte-americanas de 2016, crítica deste banco central, foi nomeada pelo próprio para integrar o conselho da Reserva Federal.
Recomendadas

Wall Street fecha em alta com aumento da confiança dos consumidores

No fecho da sessão, desta quarta-feira, o S&P 500 cresce 1,13%, para 2,931.38 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 1,14%, para 7,755.25 pontos e o industrial Dow Jones sobe 1,22%, para 26,248.0 pontos.

Bolsas da Europa animadas e Lisboa acompanha com subida da Mota, Galp e Navigator

Os mercados europeus fecharam em alta, após um início mais prudente. “Os catalisadores desta subida foram a subida das yields e as expetativas dos investidores em relação à situação política italiana”, diz o BPI.

Wall Street abre em alta à espera das minutas da Fed

Dois exemplos de títulos em destaque na praça nova-iorquina são os da empresa de materiais de Lowe’s Companies Inc, que disparam 11,28%, para 108,91 dólares, e os da cadeia de retalho Target Corporation, que disparam 18,52%, para 101,35 dólares.
Comentários