Wall Street fecha mista com tarifas sobre exportações chinesas

Quando parecia que as tensões comerciais entre a China e os EUA tinham acalmado a Bloomberg relatou que Trump vai seguir em frente com as novas tarifas sobre as exportações chinesas.

A Bolsa de Wall Street fechou sexta-feira mista e com pouco movimento (Dow Jones: +0,03% para 26.154,7 pontos, S&P 500: +0,03% para 2.905 pontos; Nasdaq: -0.05% para 8.010 pontos) depois de o presidente Trump ter insistido na sua intenção de impor tarifas sobre exportações chinesas avaliadas em 200 mil milhões de dólares.

Quando parecia que as tensões comerciais entre a China e os EUA tinham acalmado a Bloomberg relatou que Trump vai seguir em frente com as novas tarifas sobre as exportações chinesas, apesar das tentativas de seu secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, por voltar a entrar em negociações com Pequim.

No Dow Jones, os títulos mais animados desta sexta-feira foram a United Technologies (+1,7%), a Boeing (+2,4%) e a Chevron (+0,9%). Por outro lado, lideraram as vendas da Disney (-1,3%), da Apple (-1,1%) e do McDonald’s (-1%).

Recorde-se que as principais novidades lançadas pela Apple foram três telemóveis e um relógio. Após o lançamento dos novos iPhones a casa de investimento Goldman Sachs reiterou a recomendação de neutral, mas referiu que os preços dos novos aparelhos são inferiores ao esperado.

No mercado de commodities, o petróleo recuperou algum terreno depois de cair drasticamente na quinta-feira,assim que se soube que as reservas mundiais de petróleo atingiram picos em agosto do ano passado. O barril do West Texas, referência nos EUA, subiu 0,54% para 68,96 dólares.

O Brent em Londres cai 0,09% para 78,11 dólares.

No mercado de moedas, o euro desvaloriza 0,56% frente ao dólar, para 1,1625.

Em termos macroeconómicos era esperado que o índice medido pela Universidade de Michigan apontasse para uma melhoria da confiança dos consumidores norte-americanos em setembro. O que aconteceu. A confiança dos consumidores norte-americanos regista uma melhoria surpreendente. o índice medido pela U.Michigan passou de 96,2 para 100,8 em setembro, quando os analistas estimavam 96,6. “Trata-se de um indicador com impacto económico e por conseguinte nos mercados acionistas”, diz o analista do BCP.

Recorde-se que as vendas a Retalho nos EUA abrandaram o crescimento. Destaque para o aumento homólogo de 5,9% nas vendas a retalho excluindo as componentes mais voláteis de Auto e Energia em agosto foi mais fraco que o verificado em julho (6,1%). “Em termos sequenciais a subida foi de 0,2%, o que não é comparável com os 0,5% estimados dado que a base do mês de julho foi revista em alta”, diz o Millennium BCP Investment Banking.

Por sua vez a produção industrial norte-americana acelerou em agosto, com um aumento homólogo de 4,9% que foi o mais forte desde 2010. Em termos sequenciais ocorreu uma subida de 0,4%, superior aos 0,3% estimados.

Ler mais
Recomendadas

PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Dados robustos põem Wall Street em máximos

Na Europa, as bolsas recuperam após os agentes económicos terem antecipado o novo envelope financeiro que o BCE vai apresentar em junho.

Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.
Comentários