Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

BRENDAN MCDERMID/Reuters

O Dow Jones subiu 0,32% para 26.743,5 pontos. Mas os outros índices caíram. O S&P 500 fechou ligeiramente negativo (-0,058% para 2.929,06 pontos) e o Nasdaq deslizou 0,51% para 7.986,9 pontos.

Ao nível das empresas, as ações da Micron Technologies caíram mais de 3% depois de a empresa ter apresentado os seus resultados e confirmado que as tarifas dos EUA sobre a China afetarão os seus resultados.

No Dow Jones, o McDonalds (+ 2,1%), a Cisco Systems (+ 1,7%) e a Boeing (+ 1,2%) foram os títulos que mais subiram. Nas perdas, a queda de 1,1% para Apple e da Intel, e também da queda de 0,85% e 0,67% dos bancos Goldman Sachs e JP Morgan, marcaram a sessão.

Hoje foi o dia da estreia na bolsa de Nova Iorque da portuguesa Farfetch, empresa que vende produtos de luxo online, que entrou na bolsa a valor 20 dólares e fechou a valer 28,45 dólares.

No que diz respeito às notícias macroeconómicas, destaque para o PMI (purchasing managers’ index) dos serviços e o PMI industrial de setembro que foram publicados.  No caso dos serviços o PMI caiu inesperadamente para 52,6, de 54,8, quando o mercado esperava um aumento para 55,0. E no caso do PMI industrial, subiu para 55,6 de 54,7, acima dos 55,0 previstos pelo consenso.

No mercado de commodities, o petróleo continua a subir depois que Trump ter pedido à OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para baixar os preços do petróleo. O barril do West Texas, referência nos EUA, subiu 0,73%, para 70,83 dólares.

No mercado de moedas, o euro desvaloriza 0,20% em relação ao dólar, para 1,1753 dólares.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários