Wall Street fecha no ‘vermelho’ com pessimismo em torno da ‘guerra comercial’

Os investidores continuam preocupados com a perspetiva de que as duras negociações do presidente Donald Trump sobre comércio com Pequim e outros países possam vir a empurrar a economia de volta a uma recessão.

Reuters

Wall Street não resistiu a mais um capítulo na guerra comercial entre EUA e China com a perspetiva de que poderá não haver acordo entre as partes no próximo encontro do G20 a 28 e 29 deste mês e, como consequência, sejam aplicadas novas tarifas à China.

Os investidores mostraram pouco otimismo num desfecho para este conflito e os principais índices ressentiram-se. Assim, o Dow Jones recuou 0,06% para 26.048,30 pontos, o Standard & Poor’s 500 desvalorizou 0,03% para 2.885,72 pontos e o o tecnológico Nasdaq foi o menos penalizado com uma quebra de 0,01% para 7.822,57 pontos.

Os investidores continuam preocupados com a perspetiva de que as duras negociações do presidente Donald Trump sobre comércio com Pequim e outros países possam vir a empurrar a economia de volta a uma recessão.

“No panorama da guerra comercial Trump ameaça com a imposição de novas tarifas à China caso o presidente Xi Jinping não compareça à reunião do G20 que terá lugar no final deste mês no Japão, mas a decisão do presidente americano de suspender indefinidamente a aplicação de novas tarifas ao México foi bem recebida”, explica Ramiro Loureiro.

Donald Trump salientou na noite de segunda-feira que estava pronto para impor uma nova ronda de tarifas sobre as importações chinesas se não houvesse um progresso nas negociações com o presidente chinês, Xi Jinping, na cimeira do G20, que vai decorrer em Osaka, no Japão entre 28 e 29 de junho.

O presidente dos Estados Unidos espera encontrar-se com Xi Jinping, embora a China ainda não tenha confirmado nenhuma dessas reuniões.

A China ajudou na recuperação das ações asiáticas e europeias na terça-feira, depois de permitir que os Governos locais usassem recursos de títulos especiais para grandes projetos de investimento numa tentativa de apoiar a desaceleração da economia.

Ler mais
Recomendadas

Tecnológicas em alta mas Wall Street fechou mista

Os ganhos que marcaram o início da sessão não se prolongaram, num dia em que o presidente dos EUA, Donald Trump, revelou que poderia adiar novo aumento às tarifas sobre as exportações chinesas desde que ambos os países chegassem a acordo.

Galp e papeleiras seguram PSI 20

As restantes praças europeias, à exceção da Bolsa de Frankfurt, encerraram no ‘vermelho’.

Acordo comercial quase concluído impulsiona Wall Street

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos Steve Mnuchin, disse que o acordo comercial com a China “está 90% completo” e indicou existir um caminho para o completar caso as duas maiores potências económicas recomecem.
Comentários