Wall Street fecha no ‘vermelho’ com pessimismo em torno da ‘guerra comercial’

Os investidores continuam preocupados com a perspetiva de que as duras negociações do presidente Donald Trump sobre comércio com Pequim e outros países possam vir a empurrar a economia de volta a uma recessão.

Reuters

Wall Street não resistiu a mais um capítulo na guerra comercial entre EUA e China com a perspetiva de que poderá não haver acordo entre as partes no próximo encontro do G20 a 28 e 29 deste mês e, como consequência, sejam aplicadas novas tarifas à China.

Os investidores mostraram pouco otimismo num desfecho para este conflito e os principais índices ressentiram-se. Assim, o Dow Jones recuou 0,06% para 26.048,30 pontos, o Standard & Poor’s 500 desvalorizou 0,03% para 2.885,72 pontos e o o tecnológico Nasdaq foi o menos penalizado com uma quebra de 0,01% para 7.822,57 pontos.

Os investidores continuam preocupados com a perspetiva de que as duras negociações do presidente Donald Trump sobre comércio com Pequim e outros países possam vir a empurrar a economia de volta a uma recessão.

“No panorama da guerra comercial Trump ameaça com a imposição de novas tarifas à China caso o presidente Xi Jinping não compareça à reunião do G20 que terá lugar no final deste mês no Japão, mas a decisão do presidente americano de suspender indefinidamente a aplicação de novas tarifas ao México foi bem recebida”, explica Ramiro Loureiro.

Donald Trump salientou na noite de segunda-feira que estava pronto para impor uma nova ronda de tarifas sobre as importações chinesas se não houvesse um progresso nas negociações com o presidente chinês, Xi Jinping, na cimeira do G20, que vai decorrer em Osaka, no Japão entre 28 e 29 de junho.

O presidente dos Estados Unidos espera encontrar-se com Xi Jinping, embora a China ainda não tenha confirmado nenhuma dessas reuniões.

A China ajudou na recuperação das ações asiáticas e europeias na terça-feira, depois de permitir que os Governos locais usassem recursos de títulos especiais para grandes projetos de investimento numa tentativa de apoiar a desaceleração da economia.

Ler mais
Recomendadas

Depois do BCE, o que vai fazer a Fed? Investidores com reservas deixam Wall Street no ‘vermelho’

O alargado S&P 500 recuou 0,11% para 3.006,16 pontos e o Nasdaq tombou 0,31% para 7.892,95. Apenas o industrial Dow Jones conseguiu manter-se no verde e fechou com uma valorização de 0,14% para 27.219,52 pontos.

S&P mantém ‘rating’ de Portugal, mas sobe ‘outlook’ para positivo

Agência norte-americana manteve a notação financeira de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’ de ‘estável’ para ‘positivo’. Política monetária do BCE, juntamente com os ganhos de competitividade em Portugal, melhoraram a resiliência externa da economia e reduziram o custo do serviço da dívida externa, justificou a S&P.

PSI20 fecha semana no ‘verde’ com BCP a ajudar

Por setores, note-se que a banca foi dos mais animados com os espanhóis Sabadell e CaixaBank na linha da frente. BCP aproveitou o ambiente do setor e deu impulso ao PSI20, com uma subida acima dos 4%.
Comentários