Wall Street fecha no ‘vermelho’ penalizado pela banca e energia

O Dow Jones cedeu 0,17% para 26.004,83 pontos, o Nasdaq derrapou 0,38% para 7.792,72 pontos e o S&P500 caiu 0,20% para 2.879,84 pontos.

Reuters

Mais um dia de pessimismo em Wall Street com os principais índices a ditarem uma sessão com poucos proveitos para os investidores, surpreendidos com o mau desempenho dos setores da banca e da energia.

Assim, o Dow Jones cedeu 0,17% para 26.004,83 pontos, o Nasdaq derrapou 0,38% para 7.792,72 pontos e o S&P500 caiu 0,20% para 2.879,84 pontos.

A assinalável queda do petróleo nos mercados internacionais ditou fortes perdas no índice da energia do S&P500. Os investidores não reagiram bem à informação fornecida esta quarta-feira relativamente às reservas de crude nos EUA. De acordo com a entidade responsável, a Administração de Informação de Energia dos EUA, estas aumentaram um pouco acima dos 2,21 milhões de barris.

As ações da banca também mostraram um fraco desempenho, arrastadas sobretudo pela possibilidade de uma descida de juros, provavelmente já no próximo mês.

 

Recomendadas

PremiumCriptomoeda: Bitcoin, a moeda que quer imitar o ouro

Após a ascensão fulgurante seguida de uma espiral de queda em 2017, o valor da bitcoin voltou a disparar este ano mais de 150%. O apetite pelo risco, a entrada de investidores institucionais, a escassez de oferta e a perceção de que poderá tornar-se num ativo de reserva levou o preço para perto de máximos e do patamar 20 mil dólares por cada moeda.

Wall Street fecha semana festiva no ‘verde’ a contrastar com recorde de internamentos por Covid-19

Os três índices fecharam a semana no verde, com o Dia de Ação de Graças a confirmar quebras fortes no retalho em parte compensadas pelo volume recorde de vendas nos canais eletrónicos.

PSI 20 encerra em alta e Mota Engil dispara mais de 14%

O grande destaque da sessão vai para a Mota Engil, que disparou 14,55%, estando a negociar nos 1,716 euros por ação. O mercado reagiu de forma positiva à confirmação da entrada no capital da empresa portuguesa da construtura chinesa CCC. Os chineses, por 169,4 milhões de euros, passaram a ter 23% do capital da Mota Engil.
Comentários