Wall Street fecha no ‘vermelho’ penalizado pela banca e energia

O Dow Jones cedeu 0,17% para 26.004,83 pontos, o Nasdaq derrapou 0,38% para 7.792,72 pontos e o S&P500 caiu 0,20% para 2.879,84 pontos.

Reuters

Mais um dia de pessimismo em Wall Street com os principais índices a ditarem uma sessão com poucos proveitos para os investidores, surpreendidos com o mau desempenho dos setores da banca e da energia.

Assim, o Dow Jones cedeu 0,17% para 26.004,83 pontos, o Nasdaq derrapou 0,38% para 7.792,72 pontos e o S&P500 caiu 0,20% para 2.879,84 pontos.

A assinalável queda do petróleo nos mercados internacionais ditou fortes perdas no índice da energia do S&P500. Os investidores não reagiram bem à informação fornecida esta quarta-feira relativamente às reservas de crude nos EUA. De acordo com a entidade responsável, a Administração de Informação de Energia dos EUA, estas aumentaram um pouco acima dos 2,21 milhões de barris.

As ações da banca também mostraram um fraco desempenho, arrastadas sobretudo pela possibilidade de uma descida de juros, provavelmente já no próximo mês.

 

Recomendadas

Tecnológicas em alta mas Wall Street fechou mista

Os ganhos que marcaram o início da sessão não se prolongaram, num dia em que o presidente dos EUA, Donald Trump, revelou que poderia adiar novo aumento às tarifas sobre as exportações chinesas desde que ambos os países chegassem a acordo.

Galp e papeleiras seguram PSI 20

As restantes praças europeias, à exceção da Bolsa de Frankfurt, encerraram no ‘vermelho’.

Acordo comercial quase concluído impulsiona Wall Street

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos Steve Mnuchin, disse que o acordo comercial com a China “está 90% completo” e indicou existir um caminho para o completar caso as duas maiores potências económicas recomecem.
Comentários