Wall Street recua com reforma dos impostos empatada

Economista-chefe da Raymond James explica que, com a época de resultados a chegar ao fim e dados económicos distorcidos devido aos furacões, o mercado vai continuar em espera até uma decisão sobre a lei fiscal.

Reuters

Wall Street abriu esta terça-feira com perdas ligeiras, com os investidores em modo de espera. Os planos republicanos para a reforma nos impostos e a capacidade da economia norte-americana de lidar com eventuais subidas nas taxas de juro de referência estão a causar incerteza.

Nas bolsas, índice industrial Dow Jones recua 0,25 % para 23.382,12 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 perde 0,33% para 2.576,33 pontos e o tecnológico Nasdaq cai 0,37% para 6.732,42 pontos.

No mercado cambial, o dólar segue a desvalorizar face às pares europeia e japonesa. A moeda norte-americana deprecia-se 0,73% para 0,850 euros e 0,12% para 113,480 ienes. Em relação à divisa britânica, o dólar valoriza 0,14% para 0,763 libras.

“Estamos no final da earnings season, os dados económicos estão todos distorcidos por causa dos furacões, penso que não vai haver um cenário claro até termos um firme ‘sim’ ou ‘não’ em relação à lei dos impostos”, disse o economista-chefe da Raymond James, Scott Brown, à agência Reuters. “Vamos assistir a avanços e recuos, o mercado tem de respirar”.

Relacionadas

Wall Street começa semana a valorizar

A incerteza relativa à aplicação da reforma fiscal tem deixado os investidores com pouca vontade de arriscar mas hoje os principais índices terminaram a sessão a valorizar.
Recomendadas

Sinal misto em Wall Street com o Nasdaq a estragar o ramalhete

A banca dominou Wall Street. No Dow Jones, o setor financeiro liderou os avanços: JPMorgan (+ 2,9%); Goldman Sachs (+ 2,92%); o Citigroup valorizou 3,31%, e o Bank of America que ganhou 2,58%.

Farfetch aumenta preço da entrada em bolsa para até 19 dólares por ação

Depois de o interesse dos investidores em ações tecnológicas, a Farfetch aumentou o preço das ações em cerca de dois dólares para, entre os 17 e os 19 dólares, avaliando a empresa entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.

BCP brilha na bolsa de Lisboa, que acompanha otimismo europeu

As bolsas europeias fecharam em alta puxada por quatro motores: Banca, automóveis, recursos naturais e o setor químico. O BCP lidera subidas do PSI 20.
Comentários