Wall Street soma e segue em alta

A bolsa de Nova Iorque abriu em alta e segue em alta com o Nasdaq a liderar. O que explica este arranque do índice tecnológico foram as recomendações de compra das diversas casas de investimento.

Reuters

Segunda sessão do ano 2018 e o Nasdaq dispara 1,5% para 7.006,9 pontos; o S&P 500 está a subir 0,83%  para 2.695,81 pontos; seguido do Dow Jones que valoriza 0,42% para 24.824 pontos.

O que explica este arranque do índice tecnológico foram as recomendações de compra das diversas casas de investimento. Existem, segundo os sites internacionais, 14 títulos do Nasdaq 100 que foram alvo de recomendações de compra, entre as quais aparecem a Broadcom, a Comcast, a Align Technology, a Amazon, a Facebook, a Liberty, a Ctrip, a T-Mobile US, a Alexion Pharma, a Shire, a Applied Materials, a Micron Technology e a Alphabet (matriz da Google).

As empresas nos Estados Unidos serão impactadas positivamente pela política de reforma fiscal de Trump a médio/longo prazo.

Na economia, nesta quarta-feira, conheceremos o índice da produção industrial do ISM relativo a dezembro, com os analistas a esperar uma melhoria da atividade industrial no final do ano.

Embora a referência mais importante seja a ata da última reunião do Fed, em que as atenções se concentrarão nos comentários sobre a inflação e sobre a reforma tributária recentemente aprovada.

O banco central norte-americano está num período de transição, já que a atual presidente, Janet Yellen, deixará o cargo em 3 de fevereiro.

Amanhã quinta-feira, as principais referências pertencem ao mercado de trabalho, com os dados semanais do desemprego e os dados de emprego da consultora privada ADP. A previsão é que o setor privado dos EUA em dezembro tenha criado 190 mil empregos, um número semelhante ao de novembro.

Os dados do ADP serão o prelúdio do Relatório de Emprego oficial do governo, que será divulgado na sexta-feira.

Ler mais
Recomendadas

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

“Fusões em Portugal já deviam ter começado há bastante tempo”

No programa Decisores desta semana, o tema é a compra da gestora de fundos Optimize pela DiF Broker. Os líderes das duas empresas explicam como o poder dificulta as fusões no setor.

DBRS mantém ‘rating’ da Madeira em “lixo”

À segunda avaliação da região autónoma, a agência de notação financeira canadiana anunciou que o ‘rating’ se mantém em “BB”.
Comentários