Wall Street treme mas fecha no ‘verde’ ajudada pela evolução das negociações com a China

A evolução das negociações com a China e as atas da Fed marcaram o dia. Wall Street fechou a subir, mas a estrela da sessão é o petróleo.

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque fecharam no ‘verde’, mas os ganhos foram menores do que os verificados na véspera. O S&P 500 subiu 0,40%, para 2.584,58 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 0,75%, para 6.600,69 pontos; e o industrial Dow Jones ganhou 0,32%, para 23.862,44 pontos.

Dentro do Dow Jones, a Apple foi a empresa mais animada, com uma recuperação de 1,70%, à frente da Microsoft (1,43%) e da Chevron (1,35%). Do lado das perdas, a ação que mais se destacou foi a Coca-Cola (-1,93%), seguida pela Procter & Gamble (-1,62%) e Verizon (-1,35%).

A bolsa foi animada pelos sinais de entendimento nas negociações entre os EUA e a China ao nível das tarifas comerciais.

As conversações que começaram na segunda-feira em Pequim para tentar resolver o diferendo entre a China e os Estados Unidos prosseguiram hoje para uma derradeira etapa que não constava do programa inicial, o que foi interpretado pelos mercados como um sinal de empenho das duas partes.

Após três dias de reuniões entre os EUA e a China começam a surgir alguns sinais de entendimento para “enterrar o machado” da guerra comercial e isso anima e isso anima os investidores.

Num comunicado curto os negociadores norte-americanos já revelaram que a China se comprometeu a comprar “uma quantidade substancial” de produtos norte-americanos do ramo agrícola e energético. Adicionalmente, o Presidente da Reserva Federal da Atlanta admitiu que Fed pode cortar juros e isso “trouxe novo impulso aos mercados de ações”, refere o analista da MTrader, Ramiro Loureiro.

Segundo as atas da Fed divulgadas esta quarta-feira, alguns participantes na reunião de dezembro do comité de política monetária da Reserva Federal (Fed) defenderam a necessidade de uma “pausa” na subida das taxas diretoras. Apesar dessa opinião, o comité decidiu, por unanimidade, a subida em 25 pontos da taxa diretora, que fechou o ano num intervalo entre 2,25% e 2,5%. E os participantes projetaram duas subidas em 2019.

A trajetória de descida da inflação de 2,9% em julho para 2,2% em novembro, permite “alguma latitude para se esperar para ver” em 2019 argumentaram esses membros do comité.

O preço do barril de petróleo WTI para entrega em março  subiu 4,96% à hora de fecho da bolsa para 52,25 dólares, e o Brent para entrega em março ganhou hoje 4,55%, face à sessão anterior, para 61,39 dólares.

 

Ler mais
Relacionadas

Alguns membros da Fed preferiam “mais paciência” na subida das taxas de juro

Banco central norte-americano anunciou o aumento de 25 pontos base em dezembro, fixando os juros de referência para um intervalo entre 2,25% e 2,50%.
Recomendadas

EDP e EDP Renováveis elevam PSI20. Praças europeias encerram mistas

O principal índice bolsista português encerrou a sessão desta quinta-feira com uma ligeira subida 0,04%, para 5.267,78 pontos. As congéneres europeias terminaram com diferentes tendências face a decisão do FED apenas conhecida ontem após o fecho dos mercados na Europa.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Wall Street em alta depois da Fed manter as taxas de juro

Na indústria da saúde, a Biogen, gigante da biotecnologia, registou um tombo de mais de 27% depois de ter revelado que o seu medicamento experimental para combater a doença de Alzheimer não mostrou eficácia e a empresa parou o seu desenvolvimento.
Comentários