Zurich cria resposta para segmento de veículos elétricos

A criação do novo produto “Zurich Veículos Elétricos” surge para dar resposta ao crescimento de motorizações elétricas no mercado português,

A Zurich acaba de anunciar o alargamento do seu portfólio de oferta no ramo de soluções automóvel, com a criação de um seguro especial para veículos elétricos, posicionando-se como “seguradora pioneira no mercado nacional”.

A criação do novo produto “Zurich Veículos Elétricos” surge para dar resposta ao crescimento de motorizações elétricas no mercado português, fruto do investimento feito por parte dos construtores de automóveis e fornecedores de energia, e da procura por parte dos consumidores. A Zurich vai assim ao encontro das necessidades específicas que os veículos elétricos têm, ao desenvolver uma proposta diferenciada.

Corroborando a opinião dos principais construtores automóveis de que “a próxima década será marcada pelo abandono de tecnologias baseadas em combustíveis fosseis”, Artur Lucas, diretor de marketing e comunicação da Zurich Portugal, acrescenta que “com o lançamento deste novo produto, a Zurich demonstra a forma como quer estar no mercado, posicionando-se como líder na resposta às necessidades específicas de proteção de seguro que o fenómeno elétrico implica”.

Em termos de cobertura, de entre os principais pontos com que pretende diferenciar-se estão: responsabilidade civil derivada do manuseamento de cabos de carga no interior e exterior do veículo, bem como as responsabilidades que sejam imputáveis ao segurado durante o processo de recarga das baterias; assistência quando se verifique a descarga total da bateria, rebocando a viatura para o posto de carga mais próximo; reboque da viatura por avaria para a oficina mais próxima; quando contratada a cobertura de furto ou roubo ficam cobertos os cabos elétricos mesmo na situação de carregamento; possibilidade de subscrição isolada da cobertura de “Incêndio, Raio ou Explosão”.

 

Recomendadas

Premium“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários