Coronavírus. Grão de café é a “vítima menos óbvia”, aponta o Financial Times

Uma das maiores redes de café do mundo, o Starbucks, foi obrigado a encerrar metade das lojas que possui na China devido ao aumento do surto, sendo que também a Luckin Coffee também encerrou as lojas no epicentro da epidemia, em Wuhan. Estes encerramentos ao público estão a “reforçar a tendência de reduzir o preço global do café”, assumiu um analista ao Financial Times.

O surto, que teve a China como epicentro, já começou a perturbar os mercados globais, e o “Financial Times” aponta o grão de café como a “vítima menos óbvia” do coronavírus. De acordo com o título económico, a justificação prende-se com o facto do índice de referência para o café ter caído mais de um quinto (cerca de 20%), desde que 2020 começou, para um dólar. Esta quebra foi mais sentida do que a do marcador do Brent, que caiu 17% e a do cobre, cuja queda foi de 9% na London Metal Exchange.

A China tem sido um protagonista importante na indústria global do café, sendo que na última década as importações mais do que triplicaram de valor. A este aumento, junta-se o potencial do país para um crescimento de previsão superior, algo que perturbou os investidores da área, ainda que o território chinês apenas represente 2% do consumo global.

Uma das maiores redes de café do mundo, o Starbucks, foi obrigado a encerrar metade das lojas que possui na China devido ao aumento do surto, sendo que também a Luckin Coffee também encerrou as lojas no epicentro da epidemia, em Wuhan. Estes encerramentos ao público estão a “reforçar a tendência de reduzir o preço global do café”, assumiu um analista ao Financial Times.

As ações das duas empresas encontram-se atualmente em queda, sendo que o Starbucks já observou quebras na ordem dos 6% desde que o vírus se começou a espalhar pelo mundo, em janeiro. Assim, também o Luckin Coffee já caiu cerca de 30%.

Agora, o valor das ações das empresas de café e do mercado vão depender de dois fatores principais: por quanto tempo o coronavírus se prolonga e até que ponto a procura por matéria-prima por parte dos outros países enfraquece.

Recomendadas

Marcelo: “Ninguém discute a urgência do aeroporto de Lisboa. Há um problema que é preciso resolver”

“Aquilo que penso que ninguém discute é a urgência do aeroporto de Lisboa. Ninguém discute, pelo menos não vi ninguém discutir, que há um problema que é preciso resolver”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhando que “é prematuro, neste momento, estar a comentar” qualquer iniciativa legislativa que permita ao Governo não depender da aprovação dos municípios afetados pela construção do aeroporto do Montijo para avançar com a infraestrutura.

Coronavírus: Portugal com 27 novos casos suspeitos nas últimas 24 horas, revela DGS

Os dados constam no boletim epidemiológico do Covid-19, que não reportava nenhum caso de infeção pelo novo coronavírus em Portugal até às 19:00 de hoje.

Coronavírus: DGS vai divulgar orientação específica para a hotelaria nos próximos dias

Conforme apontou a associação em comunicado, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, comprometeu-se a divulgar, “nos próximos dias, uma orientação específica para a hotelaria”, à semelhança das que já foram divulgadas para as empresas, aeroportos, companhias aéreas, agências de navegação, autoridades marítimas e portuárias.
Comentários