100% cidade (II)

A procura de soluções para mitigar questões ligadas à acessibilidade de pessoas com necessidades específicas está na ordem do dia, principalmente considerando o aumento da consciencialização pela igualdade de direitos das pessoas.

Hoje, continuamos a falar do direito à cidade sem ignorar as necessidades das pessoas com deficiência. Num mundo em que o espaço público urbano é definido por tecnologias digitais desenvolvidas com a intenção de melhorar a vida cotidiana dos cidadãos, todos nós devemos lembrar que a cidade inteligente é, também, a cidade acessível centrada na experiência coletiva humana física de todos.

O conceito de cidade inteligente, assente no uso de recursos tecnológicos, tem criado oportunidades na melhoria da qualidade das decisões sobre planeamento e gestão das áreas urbanas, centrada no ganho de eficiência, redução de consumo de energia e melhoraria da mobilidade urbana, tornando os sistemas das cidades mais integrados. Mas serão mais humanos e inclusivos?

Neste campo, ainda há muito trabalho a realizar para garantir a plena participação das pessoas com deficiência. É por este motivo que é definida a Estratégia para os Direitos das Pessoas com Deficiência 2021-2030, um guia que orientará as futuras ações na Europa.

Aqui é evidente o papel das tecnologias.  “A acessibilidade aos ambientes construídos e virtuais, através das tecnologias de informação e comunicação (TIC), a bens e serviços, incluindo transporte e infraestrutura, é um facilitador de direitos e um pré-requisito para a plena participação de pessoas com deficiências em condições de igualdade com os outros”. A tecnologia tem um importante papel a desempenhar no compromisso com o ambiente construído das cidades.

No contexto da acessibilidade urbana, a procura de soluções para mitigar as questões ligadas à acessibilidade de pessoas com necessidades específicas (física, mental, visual ou auditiva) está na ordem do dia, principalmente considerando o aumento da conscientização pela igualdade de direitos das pessoas.

A partilha de alguns exemplos podem ajudar a compreender melhor o caminho a fazer pelas cidades no investimento em soluções tecnológicas para a inclusão. Em Breda, nos Países Baixos, o uso das tecnologias digitais tem sido o garante de igual acesso aos espaços públicos e a um nível de autonomia que permita às pessoas sentirem-se seguras e satisfeitas nas ruas. O compromisso da cidade com medidas de inclusão promoveu o turismo.

O acesso fácil a dispositivos móveis, internet e georreferenciação, tem possibilitado desenvolver várias aplicações que fornecem informação em tempo real para ultrapassar as barreiras das cidades.

Em Seattle, nos EUA, onde os bairros têm declives de 10% a 20%, o município disponibilizou uma aplicação móvel AccessMap aos cidadãos com mobilidade reduzida para mapear os percursos mais acessíveis. No mesmo sentido, Raúl Krauthausen, em Berlim, Alemanha, disponibiliza a Wheelmap, uma plataforma de código aberto, tipo Wikipédia, onde qualquer pessoa pode contribuir para identificar espaços públicos acessíveis a pessoas com cadeiras de rodas.

O BlindSquare, em Helsínquia, galardoado com o prémio Global Mobile como o Melhor Produto ou Serviço de Saúde Móvel, ativado com comando de voz, ajuda cegos e deficientes visuais a navegar nas cidades, a encontrar lugares e a usar os transportes públicos.

Será suficiente? Acho que não! Temos que ser inovadores, em Portugal, e ajudar a definir os padrões europeus de acessibilidade ao ambiente construído das cidades, a produtos e serviços. Todos estes esforços combinados a nível local e europeu são o compromisso da cidade inteligente com mais de 80 milhões de europeus com deficiência.

Recomendadas

As escolhas nas eleições autárquicas

Escolher um presidente de câmara, de junta de freguesia ou de assembleia municipal é um dever que os cidadãos têm, de extrema importância para a melhoria das condições de vida dos territórios.

O que é #DeFi?

É o conjunto dos serviços financeiros baseados em blockchain. É um mundo onde a confiança entre entidades faz parte integrante da construção do ecossistema, e é isso que é verdadeiramente novo e disruptivo.

Almirante fez e povo admirou-se!

A cultura do nivelar por cima, da responsabilização, da definição e implementação efetiva de estratégias ou de, simplesmente, fazer algo, está nas ruas da amargura.
Comentários