14 empresas distinguidas como empregadores de referência em Portugal

Mais de 10 empresas em Portugal foram distinguidas como empregadores de referência pela Top Employers, por apresentarem as melhores condições para os seus trabalhadores. Esta lista é realizado em 119 países onde a Top Employers Institute está presente, com o número de empresas certificadas no mundo a aumentar 8% em comparação com o ano anterior, […]

Mais de 10 empresas em Portugal foram distinguidas como empregadores de referência pela Top Employers, por apresentarem as melhores condições para os seus trabalhadores.

Esta lista é realizado em 119 países onde a Top Employers Institute está presente, com o número de empresas certificadas no mundo a aumentar 8% em comparação com o ano anterior, uma vez que “cada vez mais empresas procuram desenvolver e implementar medidas que proporcionem aos seus colaboradores uma maior satisfação laboral e profissional”.

Atualmente existem mais de 1.600 empresas certificadas no mundo, dos mais variados setores de atividade. Os métodos da HR Best Practices Survey avaliam 600 práticas de gestão de recursos humanos em dez áreas estruturais da gestão de pessoas, como estratégia de talento, planeamento de RH, aquisição de talento, acolhimento e integração, formação e desenvolvimento, gestão de desempenho, desenvolvimento da liderança, gestão de carreira e sucessão, compensação e benefícios e cultura.

Quais as 14 empresas de referência?

Na lista da Top Employers Portugal constam nomes como a Angelini Farmaceutica, AstraZeneca, BNP Paribas-Cetelem, DHL, DXC Technology, Japan Tobacco Internacional, Kuehne + Nagel, Pepsico, Saint-Gobain Portugal, SAP, Scania, Takeda e Whitestar Asset Solutions. Outra empresa de destaque que se encontra na lista é a EDP Renováveis.

Além de terem selo certificado em Portugal, alguns empregadores contam também com selo europeu e outros com selo global. As empresas que detêm selo europeu são a Angelini Farmaceutica, AstraZeneca, BNP Paribas-Cetelem, DHL, DXC Technology, EDP Renováveis, Japan Tobacco International, Kuehne + Nagel, Pepsico, Saint-Gobain, SAP, Takeda, o que significa que estão presentes em mais de quatro países certificados.

No selo global, como os critérios são mais exigentes ao nível de presença geográfica e das práticas de recursos humanos, apenas cinco empresas passam no teste, sendo estas a DHL, a Japan Tobacco International, a Saint-Gobain, a SAP e a Takeda.

“As empresas Top Employers são empresas que estão a trabalhar no sentido de reter, comprometer e desenvolver o talento sobre uma perspetiva muito consciente de win-win, isto é, criar as melhores condições aos seus empregados para que estes proporcionem ao negócio aquilo que mais precisa, como inovação, criatividade, responsabilidade, sustentabilidade e competitividade, sendo os empregados os principais responsáveis pela evolução da sua carreira”, realça Marisa Martins, country representative da Top Employers Institute em Portugal.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários