“1984” como advertência para 2020

Quão diferente é a essência do controlo retratado na obra de Orwell daquele que tem sido feito hoje em termos de propagação de desinformação e revisionismo histórico?

Nos últimos anos não têm faltado referências a “1984” de George Orwell, uma sátira em que o autor britânico desenvolve uma caricatura grotesca de uma sociedade controlada por um partido totalitário. Publicada em 1948, esta obra visionária é hoje considerada, de forma perturbante, realista e plausível na sua capacidade de descrever detalhadamente estratégias de repressão totalitária.

Ao longo dos últimos anos, da vigilância permanente (tanto em reality-shows como através da tecnologia e uso abusivo de dados) fomos evoluindo para outras formas insidiosas de controlo narradas no livro. O trabalho do protagonista Winston no Departamento de Arquivos, no qual ele é exímio, consiste em falsificar acontecimentos do passado descritos na imprensa escrita e substituir os artigos originais como se nada fosse. “Quem controla o passado controla o futuro: quem controla o presente controla o passado” é um dos lemas do Partido.

Quão diferente é isto do que tem sido feito hoje em termos de propagação de desinformação e revisionismo histórico? Nas páginas da imprensa atual, Internet e em livrarias não têm faltado artigos e livros a questionar cada vez mais os factos históricos, a deturpá-los de uma forma ampla e organizada ou a apresentarem a sua própria versão dos factos, tudo por iniciativa de uma direita cada vez mais radical, ironicamente muito ao estilo do que era feito na União Soviética sob a bota de ferro de Estaline.

A referência a Estaline não é de todo despropositada. Como militante na Guerra Civil de Espanha do lado dos republicanos, Orwell assistiu aos eventos dramáticos que tiveram lugar na Catalunha em 1937 e que levaram ao choque entre duas fações antifascistas – as forças anarquistas e socialistas que foram eliminadas pelas forças comunistas, com o apoio da União Soviética. Essa clivagem, narrada na sua obra “Homenagem à Catalunha”, constitui o ponto de partida que levaria à criação de “1984”.

A primeira parte do livro estabelece o mundo totalitário com todas as suas minudências; a organização interna do Partido, o controlo absoluto, o condicionamento contra um inimigo comum e a falsificação do passado. Todavia, onde o livro realmente se supera é na terceira parte que descreve a tortura física e mental a que Winston é submetido pelo Partido na figura de O’Brien.

É O’Brien que afirma com uma certeza absoluta que “o poder consiste em desagregar a mente humana para a reconstituir sob uma forma nova, sob a forma que entendemos dar-lhe. Começas a ver que tipo de mundo estamos a criar?”

É precisamente neste sentido que o mundo criado pelo Partido de “1984” encontra ecos perturbantes na atualidade social e política. Há forças ideológicas que nada mais desejam do que criar esse mundo descrito por O’Brien em que a mente se desagrega e se torna incapaz de distinguir entre o que é certo e o que é errado, falso e verdadeiro, sendo absorvida por um coletivo que funciona a uma só voz totalitária.

Como alguém muito envolvido nos acontecimentos turbulentos históricos do seu tempo, Orwell viu com os próprios olhos como ocorrem estas transformações insidiosas e tenta advertir-nos para o seu impacto. Não ignoremos as lições e os avisos de “1984”.

Recomendadas

As reversões têm de ser muito bem explicadas

Portugal não pode dar-se ao luxo de ser visto como o país onde as reversões são o “novo normal”. Importa comprovar que prevalece o interesse público e não o de ‘lobbies’ desejosos de deitar a mão a estas concessões.

O presidente vai nu

Sobre o balanço da presidência de Obama, escrevi que “o próximo tente fazer melhor”. Infelizmente, Trump não fez melhor. Em muito aspetos nem sequer tentou fazer melhor.

As lições dos Açores

As eleições regionais desferiram, com surpresa face às sondagens, um enorme murro no estômago do poder vigente em Portugal, o do PS de António Costa.
Comentários