25 Abril: “Nada como o 25 de Abril para repensar o nosso passado”, sublinha Marcelo Rebelo de Sousa

Na sessão comemorativa do 47º aniversário do 25 de Abril, o Presidente da República considera que é necessário “dissecar” o passado, “tudo o que houve de bom e de mau”.

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu este domingo, na sessão comemorativa do 25 de Abril no Parlamento, que não existe melhor data “para repensar o nosso passado”, como a celebração do 25 de Abril.

“Nada como o 25 de Abril para repensar o nosso passado quando o nosso presente ainda é tão duro e o nosso futuro é tão urgente. A cada passo pode ressurgir a tentação de converter esse repensar do passado em argumento de mera movimentação tática ou estratégica”, realçou o Presidente da República.

“É prioritário estudar o passado e nele dissecar tudo, o que houve de bom e o que houve de mau. É prioritário assumir todo esse passado”, sublinhou Marcelo.

Tal como já tinha feito, anteriormente, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou a necessidade de não se abrirem crises políticas, sobretudo num tempo de tantos desafios, do ponto de vista económico e da saúde pública.

“Num tempo que ainda é e será de crise na vida e na saúde e de crise económica e social, encaremos com lúcida serenidade o que pode agitar o confronto político conjuntural mas não corresponde ao que é prioritário para os portugueses. E além de não ser prioritário nestes dias de crise, é duvidoso que o seja alguma vez”.

O chefe de Estado referiu que os que fizeram o 25 de Abril de 1974 “souberam superar muitas das suas divisões durante a revolução e depois dela” e que “nações irmãs na língua” de Portugal “têm sabido julgar um percurso comum olhando para o futuro, ultrapassando séculos de dominação política, económica, social, cultural e humana”.

“Que os anos que faltam até ao meio século do 25 de Abril sirvam a todos nós para trilharmos um tal caminho, como a maioria dos portugueses o tem feito nas décadas volvidas, fazendo de cada dia um passo mais as glórias que nos honram e os fracassos pelos quais nos responsabilizamos, e bem assim no construir hoje coesões e inclusões e no combater hoje intolerâncias pessoais ou sociais”, apelou.

O Presidente da República salientou que quem faz este apelo “é o filho de um governante na ditadura e no império que viveu na que apelida de sua segunda pátria [Moçambique] o ocaso tardio inexorável desse império, e viveu depois, como constituinte, o arranque de um novo tempo democrático, charneira, como tantos portugueses, entre duas histórias da mesma História”.

“E nem por exercer a missão que exerce olvida ou apaga a História que testemunhou, como nem por ter testemunhado essa História deixou de ser eleito e reeleito pelos portugueses em democracia – democracia que ajudou a consagrar na Constituição que há 45 anos nos rege”, realçou.

Ler mais
Relacionadas

25 Abril: CDS-PP defende prioridade ao combate à corrupção

“Importa que o Estado não ignore o sentimento generalizado de descrença dos portugueses, muitas vezes justificado, relativamente à justiça, urge reformá-la e o combate à corrupção é necessário e indispensável, terá de ser uma das prioridades”, afirmou o centrista na sua intervenção na 47.ª sessão solene comemorativa do 25 de Abril, no parlamento.

25 Abril: PCP pede indignação contra injustiças e a corrupção

“Quando hoje nos indignamos, nos levantamos contra a injustiça, a desigualdade, a corrupção é porque podemos fazê-lo”, afirmou a deputada comunista Alma Rivera, ao discursar na sessão solene dos 47 anos do 25 de Abril, depois de lembrar as conquistas permitidas pela “Revolução dos Cravos”, a começar pela liberdade.

25 Abril: “Abril não se cumprirá cabalmente enquanto não encararmos de frente a corrupção”, defende BE

A deputada Beatriz Gomes Dias foi a escolha dos bloquistas para o discurso na sessão solene comemorativa do 47.º aniversário do 25 de Abril de 1974, que decorre hoje no parlamento, pelo segundo ano consecutivo em formato reduzido devido à pandemia.

25 Abril: “Populismo e a demagogia fortissimamente financiados ganham força de forma insidiosa”, alerta Alexandre Quintanilha

O cientista e deputado PS alertou para o financiamento que está a ser canalizado para os movimentos que defendem o “populismo” e a “demagogia”.

25 Abril: André Ventura defende que devia ser celebrado “luto da democracia”

O deputado único do Chega criticou que, enquanto na Assembleia da República “os portugueses veem celebrar a liberdade, veem os seus negócios e as suas vidas” encerradas “por um Governo sem critério, medidas com absurdo e sem qualquer sentido para aqueles que estão a sofrer”.
Recomendadas

Portugal entrega vacinas a Cabo Verde e acelera calendário para lusófonos – Santos Silva

“O nosso compromisso político, que assumimos em fevereiro, de destinar pelo menos 5% das vacinas a que temos direitos ao abrigo da contratação pública europeia, para os países lusófonos africanos e para Timor-Leste, começa a ser cumprida com a antecipação do calendário”, afirmou Augusto Santos Silva.

Autárquicas: Rio diz que eleições deste ano são muito importantes para o PSD

O líder dos sociais-democratas, que falava no Porto na cerimónia descrita em agenda como de apresentação do programa do candidato do PSD a este concelho, garantiu que a direção nacional do partido “empenhou-se a sério na escolha dos candidatos às autarquias, em todas as autarquias sem exceção”, frisando que “um bom candidato não é apenas aquele que é conhecido do grande público porque aparece na televisão”.

PSD quer ouvir António Mendonça Mendes e diretora-geral da AT sobre “ato persecutório” no Fisco

Em causa está a abertura de um inquérito disciplinar ao trabalhador do Fisco que denunciou o “negócio ruinoso” da venda das barragens da EDP no Douro. Os social-democratas consideram que se trata de um “ato de natureza persecutória” e pedem esclarecimentos ao Governo e à Autoridade Tributária e Aduaneira.
Comentários