Fabricante da Marlboro diz que vai largar cigarros: “Muitos fumadores deixam. É a nossa vez”

A Philip Morris International afirma que já investiu cerca de 2,8 mil milhões de euros na investigação e desenvolvimento de novos produtos sem fumo, como tabaco aquecido ou cigarros eletrónicos. A multinacional está tão empenhada que até escreveu uma carta à primeira-ministra britânica, Theresa May.

Os últimos dias do ano costumam ser marcados por balanços e os primeiros dias caracterizam-se por metas e resoluções para os mais de 300 que se seguem. Apesar de o fazerem sem passas e champanhe, as empresas não são exceção e muitas delas estabelecem também os seus objetivos para o ano que está a começar: mais vendas, mais exportações, contratações…

Curioso (ou não) é quando uma multinacional produtora de tabaco se compromete a pôr de parte os cigarros. No início da semana, a tabaqueira Philip Morris International, fabricante da marca Marlboro, anunciou que uma das suas resoluções para 2018 era largar os cigarros: “A Philip Morris é conhecida pelos cigarros. Todos os anos, muitos fumadores os [cigarros] abandonam. Agora é a nossa vez”, argumentaram.

Através de anúncios que ocuparam uma página inteira de vários jornais do Reino Unido, como o tablóide “The Sun”, a empresa de tabaco explicou que a sua “resolução de Ano Novo” era “parar de vender cigarros no Reino Unido”. “Não vai ser fácil. Mas estamos empenhados em transformar o nosso ponto de vista em realidade”, explicou a Philip Morris, sublinhando que há 7,6 milhões de adultos no Reino Unido que fumam e que a melhor atitude que podem tomar é deixar de fumar.

A multinacional salienta que já investiu 2,5 mil milhões de libras (aproximadamente 2,8 mil milhões de euros) na investigação e desenvolvimento de novos produtos sem fumo. A BBC refere que a dona da Marlboro até escreveu uma carta à primeira-ministra britânica, Theresa May, a pedir permissão para publicar informações sobre o abandono dos cigarros e a mudança nos seus maços.

“Acreditamos que temos um papel importante a desempenhar em ajudar o Reino Unido a tornar-se livre de fumo. Os compromissos anunciados hoje são passos práticos que podem acelerar esse objetivo”, disse o managing director da empresa, Peter Nixon. “Reconhecemos que nunca começar a fumar – ou desistir completamente – são sempre a melhor opção. Mas para aqueles que continuam a fumar, existem mais alternativas do que nunca disponíveis no Reino Unido”, justificou. Trata-se de tabaco aquecido ou e-cigarettes, conforme exemplificam.

Cerca de duas semanas antes deste anúncio, a Philip Morris International divulgou a sua mais recente publicação científica para produtos sem fumo, um trabalho que a empresa tem por hábito apresentar sobre os seus avanços na investigação, no desenvolvimento e na avaliação de alternativas aos cigarros tradicionais.

Relacionadas

Mais de metade dos condutores fumadores fazem-no dentro do carro

O estudo “Carros sem fumo”, promovido pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), decorreu entre 29 de agosto e 7 de setembro e envolveu 625 famílias de todo o país com pelo menos um carro.

Tabaco matou uma pessoa a cada 50 minutos em Portugal no ano passado

Dos 11.843 óbitos causados pelo tabaco ocorridos em 2016 (10,6% do total de mortes no país), 9.263 eram homens (16,4% do total dos que morreram) e 2.581 eram mulheres (4,7%).
Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários