Empresas: 5% dos gestores são responsáveis por 65% do volume de negócios e 77% das exportações

Realização do Fórum de Administradores e Gestores de Empresas reuniu 600 pessoas na Culturgest, em Lisboa.

Cristina Bernardo
Ler mais

O primeiro congresso dos Gestores Portugueses, promovido pela Fórum de Administradores e Gestores de Empresas, fez um retrato do sector em Portugal. O estudo feito pela Informa D&B mostra que existem 398 mil gestores nas empresas em Portugal (96% portugueses e 4% estrangeiros), entre órgãos de gestão e administração e diretores de primeira linha. Destes, 12% exercem funções em mais do que uma empresa.

Os gestores das empresas de maior dimensão concentram uma enorme responsabilidade relativamente aos indicadores da economia portuguesa: no seu conjunto, os gestores das grandes e das médias empresas são apenas 5% do total, mas respondem por 65% do volume de negócios e por 77% das exportações de todo o tecido empresarial nacional.

Também mostra que 51% das empresas de capital estrangeiro são lideradas por gestores portugueses e ficou demonstrado que empresas com controlo de capital nacional crescem mais rapidamente.

O congresso contou com a participação de 600 pessoas e teve quatro sessões, tendo como temas as “Mudanças na Gestão em Portugal”, “A Ética na Gestão em Portugal”, “A Economia que Interessa aos Portugueses”, e o “Poder Real dos Gestores e a sua Responsabilidade Social”.

Esmeralda Dourado – administradora não executiva da TAP e membro da Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresas – foi uma das key note speakers. Referiu que 12 mil gestores em Portugal têm sob sua responsabilidade 77% dos ativos nacionais. “Significa que a forma como os gestores portugueses desempenham a sua missão pode ter consequências sistémicas para a economia e para o conjunto da sociedade, pelo que é necessário encontrar formas de mitigar esse risco”, disse.

“Do nosso ponto de vista, as áreas de melhoria requerem alguma regulamentação, incentivos à mudança, descriminação positiva, mais força social dos gestores, porventura alavancada por soluções de associativismo, de que é exemplo o FAE, e um sistema de autorregulação que refresque as soluções e as consciências, sustentados numa Carta de Deveres e Direitos, que estabeleça padrões de exigência, profissionalismo e eficácia com benefícios justamente distribuídos”, defendeu.

Na conclusão dos trabalhos, Luís Filipe Pereira classificou o dia que durou o congresso como “de reflexão, debate e intenso contraditório, como é próprio das sociedades abertas e democráticas”. “Foi também um dia de consensos, pois ao longo das várias sessões fomos constatando que nalguns temas críticos para as empresas, para os gestores e para o país há muito mais ideias e objetivos que nos unem do que diferenças de opinião que nos separem”, acrescentou.

O primeiro congresso dos Gestores Portugueses decorreu na Culturgest, em Lisboa, e teve o Jornal Económico como media partner.

Recomendadas

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

Presidente do Banco de Itália alerta para o impacto do défice mais alto sobre a dívida

Qualquer aumento nos gastos do défice que não ajude a impulsionar o crescimento econmico estrutural poderá colocar a dívida da Itália “num rumo insustentável” referiu Ignazio Visco.

Do Marquês ao e-toupeira: Sete processos que marcaram o mandato de Joana Marques Vidal

Da política, passando pelas empresas, até ao desporto, nenhum sector escapou às investigações criminais do MP. Estes foram os processos mais mediáticos que marcaram o mandato da procuradora-geral.
Comentários