Saiba como proteger o seu negócio em plena Black Friday

Nesta altura do ano é reincidente o aumento do número de casos ligados aos furtos, segundo o relatório “A segurança dos comércios na Europa”, 62% dos inquiridos já experienciou um incremento nas perdas nesta época. Por isso, a exposição de produtos novos e de grande valor para atrair os compradores exige, também, aumentar as medidas de segurança durante esta época de grande movimento nas lojas.

A um dia de se iniciar uma das promoções generalizadas mais conhecidas do ano, a CheckPoint emitiu um conjunto de procedimentos que poderão ajudar o seu negócio a proteger-se contra possíveis fraudes ou burlas. Os conselhos baseiam-se na vigilância eletrónica de artigos (EAS), as soluções por radiofrequência (RFID) que podem desempenhar um papel importante, não apenas na hora de reduzir o furto, mas também frente à melhoria da experiência do cliente.

A Black Friday, o famoso fenómeno comercial anual, está prestes a chegar, e as lojas já se preparam para atender, tanto presencialmente como através da internet, uma avalanche de clientes ávidos de descontos nos produtos mais pedidos.

Nesta altura do ano é reincidente o aumento do número de casos ligados aos furtos, segundo o relatório “A segurança dos comércios na Europa”, 62% dos inquiridos já experienciou um incremento nas perdas nesta época. Por isso, a exposição de produtos novos e de grande valor para atrair os compradores exige, também, aumentar as medidas de segurança durante esta época de grande movimento nas lojas, sobretudo num ano em que a Black Friday se converteu, em muitas lojas, em Week Friday – estendendo-se a várias semanas de grandes descontos.

Com base nestas informações, a Chekpoint Systems elaborou um conjunto de medidas preventivas que visam ajudar lojistas e empresários a precaverem-se contra os perigos que esta altura impõe.

O fator surpresa

As lojas devem ser um lugar atrativo para os clientes, não apenas pela sua oferta, mas também pelo seu design, comodidade e o uso de novas tecnologias. O design adequado e soluções que tornem mais agradável a passagem dos clientes pela loja permitirão elevar o seu grau de satisfação e tal irá repercutir-se, em última instância, num aumento das vendas.

É o caso, por exemplo, dos sistemas de vigilância eletrónica de artigos (EAS). As vanguardistas antenas antifurto de última geração, como a NEO e a S10 da Checkpoint, brindam uma excelente deteção de toda a gama de etiquetas.

A recente S20 permitiu-nos reinventar as tradicionais antenas. Esta solução, que chegou a ser apelidada de revolucionária, compagina a prevenção do furto com a estética, já que se pode personalizar reforçando a imagem da marca.

Não permita que a mercadoria exposta se converta na sua perdição

O público quer interagir com os artigos, assim que encerrá-los numa vitrine não é uma boa opção, sobretudo quando não há colaboradores suficientes para responder às suas preguntas. As etiquetas antifurto adesivas ou rígidas de radiofrequência, permitem expor a mercadoria sem que signifique sofrer um maior número de furtos.

Além do mais, existe uma grande variedade de produtos para ajudar as lojas a proteger os seus artigos e melhorar as vendas. Um deles é, por exemplo, a etiqueta Super Flag da Checkpoint. Esta inovadora etiqueta dual por radiofrequência, não apenas protege contra o furto, mas também contra a manipulação dos produtos. Pode aplicar-se facilmente no ponto de fabrico e o seu magnífico desenho transparente não oculta a informação que há nos produtos, como podem ser a marca assim como textos legais. Revela-se ideal para artigos pequenos de risco elevado, como maquilhagem e acessórios, muito desejados pelos ladrões.

Proteja o futuro das suas vendas

Nesta época do ano, as lojas costumam rever e replanificar as suas estratégias. Ainda que estejamos a tempo de implementar etiquetas EAS e outras soluções de segurança nos produtos frente a esta eminente campanha, é melhor ser precavido e contar com uma boa estratégia que permita salvaguardar as futuras vendas tanto em loja como através da internet.

Para tal, torna-se vital aproveitar as tecnologias que ajudem a satisfazer os pedidos do um público “sempre ligado”, com é o atual. As lojas devem centrar-se plenamente em melhorar a precisão do inventário para evitar ficar sem stock e poder atender melhor os pedidos dos seus clientes. E são muitas as que se estão a dar conta agora que a única maneira de o conseguir passa pela adoção generalizada de soluções RFID que permitam conhecer o estado do stock ao longo de toda a cadeia de distribuição, para poder informar devidamente os clientes da disponibilidade de cada artigo.

Ler mais

Recomendadas

Governo espera 40 mil candidaturas ao novo concurso do Apoiar.pt

O Executivo abriu hoje um novo concurso, no âmbito do programa Apoiar.pt, destinado a compensar as perdas verificadas no quarto trimestre de 2020, com condições similares às do anterior.

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Japão mantém expectativa de regresso a excedentes orçamentais no longo prazo

O Japão detém a maior dívida pública em função do PIB do mundo, com 223%, uma situação que coloca o país particularmente pressionado e vulnerável à incerteza causada pela pandemia de Covid-19.
Comentários