Premium70 anos da Santini. Como a teoria do Big Bang se pode aplicar aos gelados artesanais

Desde o avô Attilio, desde a Cortina d’Ampezzo, a história da mais famosa gelataria portuguesa está a comemorar a partir desta semana o seu 70.º aniversário e já vai para a quarta geração dentro da família. O grande salto de expansão da cadeia foi dado, há cerca de 12 anos, com a parceria com a família Botton. Os novos desafios passam por mais lojas em Lisboa, Porto e Algarve, bem como a entrada nos mercados internacionais.

Tal como a célebre teoria astrofísica que pretende explicar a origem do Universo, também o percurso da gelataria artesanal Santini não escapa à inevitabilidade da expansão constante e crescente. Nesta semana, em que a empresa comemora o seu 70.º aniversário, é preciso recordar que há pouco mais de 12 anos os produtos da Santini só podiam ser apreciados numa loja, em Cascais, além de um pequeno balcão que abria por breves períodos, nas férias de verão e, às vezes, em certos fins-de-semana. Hoje em dia a cadeia de gelados Santini já tem 11 lojas, vai abrir este fim-de-semana a 12.ª, no Centro Comercial das Amoreiras, quer reforçar a sua presença na área da capital, abrir uma segunda loja no Porto, marcar presença no Algarve e iniciar o processo de internacionalização, dentro de um a cinco anos. Um verdadeiro ‘Big Bang’ daquela que é considerada a gelataria portuguesa mais conhecida e conceituada.

“A Santini foi criada há 70 anos, quando o meu avô [Attilio Santini] abriu a primeira loja na Praia do Tamariz, no Estoril. O meu avô já tinha herança familiar nesta área, na zona norte de Itália, em Cortina d’Ampezzo, onde a sua família já era muito conhecida por se ter especializado na arte da gelataria. Depois de ter emigrado para Espanha, onde conheceu a minha avó, foi desafiado pelo cônsul português em Valência para vir para o Estoril que, na época, no rescaldo da II Guerra Mundial, era uma zona recheada de refugiados de diversas regiões da Europa”, revela Eduardo Santini, o neto do fundador e um dos acionistas da empresa, em entrevista ao Jornal Económico.

Assim, no dia 26 de agosto de 1949, surgiu a primeira loja de gelados Santini, na acolhedora Praia do Tamariz, tendo sido pouco depois aberta uma segunda loja no centro de Cascais. Desde essa altura, a empresa contou também com o laboratório e com a fábrica, localizada em São João do Estoril. Mas tudo mudou há pouco mais de uma década. “A vida da Santini sofreu uma mudança radical há cerca de 12 anos, com a constituição da parceria com a família Botton”, assinala Eduardo Santini.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Coleção de joias portuguesas inspirada no conceito de upcycling

“Portuguese Jewellery X MAAT: Rethink. React. Reshape” é o mote da iniciativa que resulta numa coleção exclusiva nas lojas dos espaços expositivos da Fundação EDP, MAAT e Central Tejo, assinada por seis marcas portuguesas: Leão Creative, Wonther, Clélia Jewellery, Ana Bragança Jewellery, Lia Gonçalves e Mariana Machado Jewellery.

PremiumIrene Vallejo: “Não politizem as línguas”

“O Infinito num Junco” tomou a Península Ibérica de assalto e está a ser traduzido em 30 países. Irene Vallejo, nascida em Saragoça, tem um amor profundo pela literatura e pelas línguas, “que pertencem à esfera da emoção” e não à política. Defensora da tolerância e do sonho europeu, faz sua uma máxima do imperador romano Marco Aurélio: “A amabilidade é invencível”.

PremiumRBI: um caminho de liberdade

O projeto documental, composto por 12 episódios e produzido pelo eurodeputado Francisco Guerreiro ” tem como objetivo elucidar a opinião pública europeia sobre o conceito de Rendimento Básico Incondicional” e, ao mesmo tempo, sensibilizar a classe política nacional para a implementação de um projeto-piloto em Portugal.
Comentários