Premium70 anos da Santini. Como a teoria do Big Bang se pode aplicar aos gelados artesanais

Desde o avô Attilio, desde a Cortina d’Ampezzo, a história da mais famosa gelataria portuguesa está a comemorar a partir desta semana o seu 70.º aniversário e já vai para a quarta geração dentro da família. O grande salto de expansão da cadeia foi dado, há cerca de 12 anos, com a parceria com a família Botton. Os novos desafios passam por mais lojas em Lisboa, Porto e Algarve, bem como a entrada nos mercados internacionais.

Tal como a célebre teoria astrofísica que pretende explicar a origem do Universo, também o percurso da gelataria artesanal Santini não escapa à inevitabilidade da expansão constante e crescente. Nesta semana, em que a empresa comemora o seu 70.º aniversário, é preciso recordar que há pouco mais de 12 anos os produtos da Santini só podiam ser apreciados numa loja, em Cascais, além de um pequeno balcão que abria por breves períodos, nas férias de verão e, às vezes, em certos fins-de-semana. Hoje em dia a cadeia de gelados Santini já tem 11 lojas, vai abrir este fim-de-semana a 12.ª, no Centro Comercial das Amoreiras, quer reforçar a sua presença na área da capital, abrir uma segunda loja no Porto, marcar presença no Algarve e iniciar o processo de internacionalização, dentro de um a cinco anos. Um verdadeiro ‘Big Bang’ daquela que é considerada a gelataria portuguesa mais conhecida e conceituada.

“A Santini foi criada há 70 anos, quando o meu avô [Attilio Santini] abriu a primeira loja na Praia do Tamariz, no Estoril. O meu avô já tinha herança familiar nesta área, na zona norte de Itália, em Cortina d’Ampezzo, onde a sua família já era muito conhecida por se ter especializado na arte da gelataria. Depois de ter emigrado para Espanha, onde conheceu a minha avó, foi desafiado pelo cônsul português em Valência para vir para o Estoril que, na época, no rescaldo da II Guerra Mundial, era uma zona recheada de refugiados de diversas regiões da Europa”, revela Eduardo Santini, o neto do fundador e um dos acionistas da empresa, em entrevista ao Jornal Económico.

Assim, no dia 26 de agosto de 1949, surgiu a primeira loja de gelados Santini, na acolhedora Praia do Tamariz, tendo sido pouco depois aberta uma segunda loja no centro de Cascais. Desde essa altura, a empresa contou também com o laboratório e com a fábrica, localizada em São João do Estoril. Mas tudo mudou há pouco mais de uma década. “A vida da Santini sofreu uma mudança radical há cerca de 12 anos, com a constituição da parceria com a família Botton”, assinala Eduardo Santini.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumCP recebe jackpot: ‘Museu de velharias’ vai acabar de vez?

A grande dúvida manifestada pelos especialistas em ferrovia é se a promessa de compra dos novos 129 comboios para a CP será concretizada durante os próximos 10 anos. A situação da frota da empresa é insustentável, com um parque de comboios a cair de velhos, cheios de ‘remendos’ em cima de ‘remendos’.

PremiumRobert Wilson e Paul Milgrom: Os economistas que arrebataram o Nobel através de leilões

Desta vez, a Academia Real Sueca não pode ser criticada por privilegiar a teoria. Atribuiu o Nobel da Economia a dois americanos que estudam a forma de melhorar um processo que afeta a compra e venda de milhares de produtos e serviços à volta do mundo: os leilões.

PremiumPetcare: O melhor do mercado para o melhor amigo dos humanos

Os animais de estimação ganharam ainda mais espaço durante o confinamento a que a pandemia de Covid-19 obrigou, tornando-se companheiros de vida e de trabalho. Quer sejam cães, gatos, tartarugas ou periquitos, todos os animais ocupam uma parte do coração dos seus donos, que lhes querem oferecer o que o mercado tem de melhor.
Comentários