79% dos profissionais afirma que o teletrabalho melhora a sua produtividade

Segundo Rui Teixeira, COO do ManpowerGroup Portugal, as organizações devem ir ao encontro destas preferências e apostar em modelos que promovam a flexibilidade de horários e de locais de trabalho.

Syone ©Luke Peters

Existe a tendência para adotar o modelo de teletrabalho, no período após as férias e o estudo “De Regresso ao Trabalho” do ManpowerGroup confirma-o: 64% do total de inquiridos dizem continuar a laborar através deste regime e 79% afirmam que o teletrabalho lhes melhora a produtividade.

A ManpowerGroup inquiriu, entre agosto e setembro, 185 profissionais portugueses de vários setores de atividade e de várias zonas do país. No universo de respondentes que referiram estar fora do escritório, o valor relativo à melhoria da produtividade sobe para os 92%, o que revela a preferência por este tipo de regime.

Seis em cada dez trabalhadores em teletrabalho estaria disposto a pagar para trabalhar remotamente a partir do local de férias, conclui também o estudo. “Apesar de 98% dos inquiridos que vão estar a teletrabalhar o fazer a partir da residência habitual, 62% aspiram a poder prolongar a estância no local de férias em regime de teletrabalho e respondem positivamente à possibilidade de pagarem o aluguer de uma casa ou outra opção de alojamento para trabalhar a partir desse local”.

No que diz respeito à cidade preferencial para exercerem funções, o ManpowerGroup assinala uma tendência dos profissionais não só para os grandes centros urbanos, com 32% dos inquiridos a apontarem Lisboa como local de eleição e 12% o Porto, bem como por locais junto à zona costeira, com 16% dos respondentes a indicar Faro e 11% Setúbal.

Relativamente aos argumentos que as empresas devem promover para se posicionarem como “o local ideal para trabalhar”, 28% dos inquiridos referiram a flexibilidade horária e 24% mencionaram a disponibilização de opções de teletrabalho. Quanto a outros fatores enumerados, 19% aponta a remuneração elevada, 17% a formação contínua e 12% a diversidade e inclusão.

“Percebemos que os modelos de teletrabalho, em formato remoto ou híbrido, estão cada vez mais presentes, sendo bem valorizados pelos trabalhadores, que não querem perder a flexibilidade adquirida durante a pandemia”, afirma Rui Teixeira, Chief Operations Officer do ManpowerGroup Portugal. Segundo o gestor, “as organizações devem ir ao encontro destas suas preferências, e apostar em modelos que promovam a flexibilidade de horários e de locais de trabalho, mas também outros incentivos que incentivem a autonomia e a conciliação entre trabalho e vida pessoal. Só assim poderão desenvolver uma proposta de valor única que as torne mais competitivas no atual contexto de escassez de talento”.

Recomendadas

5G: Nowo já pediu estabelecimento de acordos de ‘roaming’

De acordo com o regulamento, os operadores vão ter de chegar a acordo entre eles e têm 45 dias para o fazer, caso tal não aconteça podem recorrer à Anacom para arbitrar o processo.

Grupo FNAC investe 300 mil euros e abre primeira loja de bem-estar e sustentabilidade em Portugal

A insígnia abrange aromaterapia, chás e infusões, entre outros. “Pretende inspirar a fazer essa mudança. Traz consigo o propósito de criar um mundo melhor, apelando a um modo de vida mais consciente, mais próximo da natureza, com foco no bem-estar e no respeito pelo planeta”, garante ao JE o diretor geral, Nuno Luz.

CEO da Apple assinou “acordo secreto” de 275 mil milhões de dólares com oficiais chineses para continuar a operar no país

Em 2016, os executivos da Apple ficaram alarmados com as ameaças do governo chinês contra recursos como Apple Pay, iCloud e App Store, o que levou Cook a realizar uma série de reuniões secretas com autoridades de Pequim.
Comentários