800 milhões de pessoas ainda vivem abaixo do limiar da pobreza

Apesar dos progressos feitos no combate à precariedade e desigualdade social, registam-se ainda inúmeros casos críticos, sobretudo na África Subsaariana e no Sul da Ásia.

Alkis Konstantinidis/Reuters

Um relatório revelado esta segunda-feira pelo Banco Mundial (BM) dá conta de que quase 800 milhões de pessoas viviam, em 2013, com menos de 1,90 dólares (1,70 euros) diários. De acordo com o presidente do BM, Jim Yong Kim, “a menos que se retome um crescimento global mais rápido e que se reduza a desigualdade, poderá falhar o objetivo do Banco Mundial de eliminar a pobreza extrema até 2030”.

Jim Yong Kim destaca o esforço feito pelos países no combate à precariedade numa altura de abrandamento da economia global. Desde 1990, cerca de 1,1 mil milhões de pessoas escaparam à pobreza extrema e as desigualdades sociais reduziram-se de forma significativa, mas “ainda há muitas pessoas a viver com demasiado pouco”, sublinha o líder do Banco Mundial.

Foi a região da Ásia Oriental e Pacífico – especialmente a China, Indonésia e Índia – que se mais contribuiu para a redução dos índices de pobreza registados. Atualmente, metade das pessoas em pobreza extrema vivem na África Subsaariana e um terço no sul da Ásia.

Já no combate às disparidades sociais, o Brasil, o Camboja, o Mali, o Peru e a Tanzânia foram os países que mais cooperaram na redução das desigualdades a nível mundial. Por cada país com registo de aumento da desigualdade, outros dois assinalam diminuições similares, situação que tem vindo a progredir desde 2008.

No entanto, o BM deixa o alerta de que em 34 dos 83 países avaliados as diferenças entre ricos e pobres aumentaram e há 23 países em que os mais carenciados viram os rendimentos ainda mais reduzidos.

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários