800 milhões de pessoas ainda vivem abaixo do limiar da pobreza

Apesar dos progressos feitos no combate à precariedade e desigualdade social, registam-se ainda inúmeros casos críticos, sobretudo na África Subsaariana e no Sul da Ásia.

Alkis Konstantinidis/Reuters

Um relatório revelado esta segunda-feira pelo Banco Mundial (BM) dá conta de que quase 800 milhões de pessoas viviam, em 2013, com menos de 1,90 dólares (1,70 euros) diários. De acordo com o presidente do BM, Jim Yong Kim, “a menos que se retome um crescimento global mais rápido e que se reduza a desigualdade, poderá falhar o objetivo do Banco Mundial de eliminar a pobreza extrema até 2030”.

Jim Yong Kim destaca o esforço feito pelos países no combate à precariedade numa altura de abrandamento da economia global. Desde 1990, cerca de 1,1 mil milhões de pessoas escaparam à pobreza extrema e as desigualdades sociais reduziram-se de forma significativa, mas “ainda há muitas pessoas a viver com demasiado pouco”, sublinha o líder do Banco Mundial.

Foi a região da Ásia Oriental e Pacífico – especialmente a China, Indonésia e Índia – que se mais contribuiu para a redução dos índices de pobreza registados. Atualmente, metade das pessoas em pobreza extrema vivem na África Subsaariana e um terço no sul da Ásia.

Já no combate às disparidades sociais, o Brasil, o Camboja, o Mali, o Peru e a Tanzânia foram os países que mais cooperaram na redução das desigualdades a nível mundial. Por cada país com registo de aumento da desigualdade, outros dois assinalam diminuições similares, situação que tem vindo a progredir desde 2008.

No entanto, o BM deixa o alerta de que em 34 dos 83 países avaliados as diferenças entre ricos e pobres aumentaram e há 23 países em que os mais carenciados viram os rendimentos ainda mais reduzidos.

Recomendadas

Estados Unidos aplicam sanções a responsáveis políticos da Crimeia

Os Estados Unidos aplicaram sanções económicas a sete pessoas implicadas na organização, sob supervisão russa, das eleições na Crimeia, anexada ilegalmente por Moscovo, segundo o Departamento de Tesouro.

Não é um ‘addio’, é um ‘arriverdeci’. Despedida emocionada do presidente do Parlamento Europeu aos deputados britânicos

“Caros amigos britânicos, um ‘addio’ (adeus) italiano é uma palavra demasiado definitiva, por isso, junto com os meus colegas, direi apenas ‘arrivederci’ (até breve)”, afirmou o responsável transalpino. No final do debate e votação, foram vários os representantes britânicos que assinalaram a ocasião, tendo ecoado no hemiciclo a nostálgica canção tradicional do folclore britânico, com origem num poema escocês, “Auld Lang Syne”.

Building the Future. As pessoas são o maior desafio, diz Siza Vieira

O ministro da Economia revelou esta terça-feira que o Governo vai aprovar em breve a estratégia de transformação digital para o país.
Comentários