Premium“A Associação Mutualista vai voltar a ter resultados positivos este ano”

Tomás Correia diz que este ano a Associação vai ter lucros e vai começar a libertar imparidades da Caixa Económica, o que ajuda os lucros e os capitais próprios. Recusa qualquer relação privilegiada com o BES e admite escolher em breve o ‘Chairman’ do banco.

Concorda com o ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos, quando diz que o BES foi um efeito retardado da crise financeira?

Tenho dúvidas que se possa fazer assim afirmações tão categóricas. O caso BES tem muito a ver com a crise financeira e económica, com alguns erros de percurso, e com o mau funcionamento dos mercados. Mas é ainda muito cedo para dizer ao certo qual foi a causa que o despoletou. Parece-me que resultou de um conjunto de factores e circunstâncias absolutamente extraordinárias. Mas a crise em Portugal começou muito antes da crise subprime. Os números do nosso desempenho a partir do início do ano 2000, não nos dão motivo de orgulho. O crescimento foi muito débil e fez-se à custa do crescimento da dívida e assistimos a um desfasamento entre o país e a Europa, que nos veio a criar as dificuldades.

Mas a dívida só sobe para níveis incomportáveis já com o Governo socialista de José Sócrates. Não acha que também teve a ver com o aumento salarial da função pública de 2,9% em 2009, quando o PS ganha o segundo mandato?

Não me parece que tenha sido esse o problema. Houve uma iniciativa da Europa no sentido de os Governos darem apoio ao tecido empresarial. Hoje, pode dizer-se que só o deviam ter feito os países com finanças sólidas, mas o Governo de então decidiu apoiar as empresas, à custa do crescimento da dívida. A forma como o Governo através dos institutos respectivos colocou dinheiro na economia, com o acompanhamento das garantias mútuas, acabou por ser feito à custa da dívida pública.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e ‘backstop’ para Fundo Único de Resolução

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram hoje a acordo sobre a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a introdução de uma rede de segurança no Fundo Único de Resolução, medidas que permitirão atenuar futuras crises.

BCE autoriza João Pedro Oliveira e Costa como CEO do BPI

Depois de ser autorizado pelo BCE, o CaixaBank aprovou esta segunda-feira por unanimidade a composição dos órgãos sociais do BPI para o mandato de 2020-2022. João Pedro Oliveira e Costa sucede oficialmente a Pablo Forero.
Comentários