À atenção da banca: Revolut vai emitir cartões de crédito a partir de dezembro

A Revolut prepara-se para emitir cartões de crédito já em dezembro deste ano. “Estamos a trabalhar nisso”, disse Nikolay Storonsky. “Em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”, referiu o CEO da Revolut. “Só a partir desse momento é que nos poderão qualificar como um verdadeiro banco digital

“Ainda não nos podem qualificar como um verdadeiro banco digital, porque por enquanto apenas temos uma parceria para financiamento. Não emprestamos dinheiro” com depósitos dos clientes, revelou Nikolay Storonsky, co-fundador e CEO da Revolut, uma fintech, ao Jornal Económico, na Web Summit.

Em breve, o substantivo fintech será coisa do passado, porque a Revolut, fundada em julho de 2015, transformar-se-á num verdadeiro banco digital.

A Revolut prepara-se para emitir cartões de crédito já em dezembro deste ano. “Estamos a trabalhar nisso”, disse Nikolay Storonsky. “Em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”, referiu o CEO da Revolut. “Só a partir desse momento é que nos poderão qualificar como um verdadeiro banco digital. Por enquanto, ainda não”, explicou Nikolay Storonsky.

Atualmente, a Revolut tem nove milhões de clientes entre o Reino Unido e a zona euro. Estreou-se no mercado asiático há cerca de duas semanas na Singapura e anunciou este mês que iria entrar nos Estados Unidos, através de uma parceria com a Mastercard. Nikolay Storonsky quer continuar a crescer. Para 2020, o objetivo é chegar aos “20 a 25 milhões de clientes” e “lançar-nos noutros mercados”, referiu.

Recomendadas

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.

PremiumAuditoria deverá deixar de fora venda da Tranquilidade por 40 milhões de euros

Apesar de o perímetro da auditoria da Deloitte ainda não estar concluído, o Jornal Económico sabe que a venda de ativos estará fora do âmbito da análise.

PremiumCaixa e Banco de Portugal dão 900 milhões de euros em dividendos ao Estado

A CGD vai pagar ao Estado 300 milhões de dividendos. Mais 100 milhões que compensarão a menor remuneração do BdP, que será cerca de 600 milhões.
Comentários