A banca do futuro

Os bancos não vão desaparecer. Antes vão acompanhar os novos tempos e criar um modelo de negócio que combine o capital de confiança que têm junto dos seus clientes com a rapidez que as fintech oferecem.

Na recente conferência “A Banca do Futuro”, o governador do Banco de Portugal avisou que “o modelo de negócio bancário como o conhecemos sofrerá alterações profundas”. Na verdade, a ida ao banco à distância de um arrastar de dedo no smartphone e contas e cartões de pagamento de entidades não bancárias são realidades há uns anos impensáveis.

O mundo mudou também no sector bancário, com a chegada das fintech.

Numa análise SWOT, a força dos bancos é a relação pessoal com os clientes e a sua fraqueza está nos custos associados ao modelo tradicional. As fintech são seguramente a principal ameaça e a oportunidade estará nas alianças com as tecnológicas financeiras antes do êxodo maciço de clientes.

As taxas de juros historicamente baixas e sem tendência para subir foram o pior inimigo dos bancos, apesar de terem resgatado o euro e a UE da crise das dívidas soberanas. Em consequência, as margens financeiras dos bancos reduziram-se a níveis incomportáveis com a queda abrupta do preço do dinheiro.

O negócio dos bancos são os juros, mas este negócio está a esgotar-se e os bancos tentam reinventá-lo através das comissões. A lei portuguesa não permite cobrar pelos depósitos, razão por que os bancos pretendem mudar a legislação comunitária, mas só para cobrar a clientes institucionais e não a particulares ou empresas.

No plano dos princípios, é errado legislar para situações concretas. A lei deve ser geral e abstrata e o legislador precisa de tempo para se cristalizarem mudanças económicas e sociais que só depois deverão ser tratadas em letra de lei.

A situação é desafiante, sendo certo que os desafios significam oportunidades e os bancos não vão desaparecer. Longe disso! Seguramente, vão antes saber acompanhar os novos tempos e criar um modelo de negócio que combine o capital de confiança que têm junto dos seus clientes com a rapidez que as fintech oferecem.

Recomendadas

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.
Comentários