A bolha, o âmbar e a TAP

A consequência da expulsão da lista ‘verde’ do Reino Unido e a despromoção para ‘âmbar’ não podia ser mais clara: é uma péssima notícia, para mais quando o sector do turismo está a tentar recuperar após meses de dificuldades.

Marcelo Rebelo de Sousa por vezes tem razão. No seu papel de ‘pai’ do Governo na gestão da pandemia esteve bem ao admoestar o ‘filho’ por este ter prometido uma final da Liga dos Campeões em bolha e ter trazido para casa outro resultado, que ultrapassou os limites inicialmente estabelecidos.

O Presidente da República não tem sido ele próprio exatamente isento de contradições em relação ao comportamento durante a pandemia, não esquecendo que queria fazer três jantares de Natal, e quando foi recentemente à Guiné-Bissau, tendo sido recebido por uma multidão, em apoteose, como gosta.

Ainda assim, do quarteto de políticos envolvidos na troca de palavras sobre o assunto, foi o que teve a melhor atitude.

António Costa acabou por admitir que a organização daquele evento tem de servir de lição e não de exemplo, mas as explicações não foram convincentes. Dizer que 80% dos adeptos vieram em bolha e culpar as alterações da situação nas fronteiras entre a altura do acordo e a altura do evento, parece mais, para usar uma expressão inglesa, um caso de “the dog ate my homework”.

O presidente da Câmara Municipal do Porto esteve ainda pior. Disse que compreende o sentimento de repúdio que algumas pessoas sentem, mas depois disparou para todos os lados, afirmando que não tinha possibilidade de dizer que não e criticando o Presidente, o Governo, as regras da DGS e Rui Rio. Pior ainda, perguntou de forma cínica se queremos ou não que venham turistas.

Claro que queremos, mas não necessariamente em multidões, maiores do que o acordado e muito difíceis de controlar.

No dia da final Rui Rio afirmara que estávamos “a exportar um jogo onde os estrangeiros podem estar e ainda por cima a armar desacato e depois dizer: isto não vai ser como foi a festa do Sporting em Lisboa e ainda está quase a ser pior”.

Foi frontal, com picardia q.b. e ainda afirmou que o evento não ajudou à compreensão das pessoas daquilo que estamos a fazer em termos de sacrifício. Talvez seja mais fácil falar sem responsabilidades diretas, mas o líder do PSD acertou na mouche. Não sabemos se a final da Champions no Porto teve impacto negativo na situação pandémica, mas é uma questão de princípio, de não ter dualidade de critérios numa altura tão exigente.

Por efeito desses eventos ou não, ou talvez devido ao desconfinamento em geral, a taxa de infeção aumentou e Portugal foi novamente expulso da lista ‘verde’ do Reino Unido e despromovido para a versão ‘âmbar’. Para daltónicos, como eu, é um bocado difícil compreender as categorias, mas neste caso a consequência não podia ser mais clara – é uma péssima notícia, para mais quando o sector do turismo está a tentar recuperar após meses de dificuldades.

Por falar em dificuldades, a decisão de Boris Johnson irá certamente afetar também a TAP, que já tem problemas que chegue. A decisão do Tribunal Europeu de anular a decisão da Comissão Europeia, que deu ‘luz verde’ para o Estado português emprestar 1.200 milhões de euros à companhia, foi um duro golpe e mantém-se como uma nuvem escura numa altura crucial do processo de aprovação do plano de reestruturação.

Na mesma semana em que a empresa anunciou um prejuízo de 365,1 milhões de euros no primeiro trimestre, descobrimos que há um novo nome apontado para liderar a TAP, aparentemente fruto de diligências do Governo e não da empresa de headhunting contratada para o efeito.

Esperemos que a hipótese não caia novamente, como aconteceu com o anterior executivo que esteve na calha para gerir a companhia aérea nacional durante um período que será certamente de turbulência. De incertezas já estão os hangares da TAP cheios, não precisa de mais.

Recomendadas

Por que hei de gostar de futebol?

Eu sei que estou em contraciclo, visto que mais um campeonato de futebol europeu está aí à porta. Que eventos desta importância não sejam ensombrados por mais acontecimentos grotescos. Só assim poderei mudar a minha a opinião.

O Euro 2021, ai desculpe… 2020

Manter o nome do torneio tem o seu quê de estranho, pois lembra-nos que ainda vivemos numa espécie de ‘loop’ existencial, presos numa fase transitória da vida, entre a pandemia e o pós-pandemia.

Para uma crítica ao ‘Homo consumens’

É preciso revolucionar criticamente as representações que fazem da escassez um fetiche estruturante de todas as nossas relações com o mundo. A escassez nem é, por si mesma, dotada de valor, nem deve ser socialmente promovida. Pelo contrário, deve ser excluída das práticas de criação de valor.
Comentários