Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Cristina Bernardo

“Vêm portugueses para o centro da cidade de Lisboa, mas não é a classe média.” Esta é a opinião de José Gil Duarte, fundador e CEO da Essentia. Em declarações ao Jornal Económico, o responsável pela empresa ligada, entre outras, às áreas de Reabilitação Urbana e da Hotelaria e Turismo Sustentável explica que a estabilização dos preços no setor da reabilitação urbana tem levado a uma compra de empreendimentos por diversos investidores portugueses no centro de Lisboa, mas que pertencem à classe “média alta e alta”.

José Gil Duarte refere que “nem toda a gente chega ao mercado de reabilitação no centro histórico da cidade porque é um produto limitado e como tal tem regras da oferta e da procura”.

Artigo publicado na edição semanal de 30 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Vai abastecer? Amanhã baixa o preço dos combustíveis

Depois de na semana passada o preço do gasóleo permanecer inalterado, esta semana desce 0,5 cêntimos, acompanhado por uma queda de 1,5 cêntimos no preço da gasolina. Saiba onde encontrar os postos mais económicos.

Apenas 21% dos portugueses reforçaram contas poupança no último ano, diz Cetelem

Os hábitos de poupança dos portugueses mantiveram-se no último ano. “Estarem atentos a promoções ou levar almoço para o trabalho são pequenos gestos que fazem já parte do dia a dia de muitos portugueses”, acrescenta o estudo.

Quem são os beneficiários da vacina contra a gripe

Algumas pessoas têm direito à vacina da gripe, disponibilizada gratuitamente no Serviço Nacional de Saúde, sem necessidade de receita médica. Para a receberem basta dirigirem-se aos centros de saúde.
Comentários