A convivência entre a UE e a NATO com a China

A UE reconhece que a China tem uma ambição global, mas não considera que o seu comportamento possa colocar em causa a segurança internacional.

Numa conferência de imprensa, no dia 9 de junho, Josep Borrell, o Alto Representante da União Europeia (UE), deu a conhecer publicamente alguns dos aspetos discutidos numa sessão de teletrabalho com Wang Yi, o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros. Esta reunião destinava-se também a preparar o encontro virtual de Charles Michel, o Presidente do Conselho Europeu, e de Ursula von der Leyen, a Presidente da Comissão, com Li Leqiang, o primeiro-ministro chinês.

Borrel voltou a afirmar que a “China pode ser um rival sistémico da UE, mas não é uma ameaça à paz mundial”, chamando à atenção para a necessidade de se estabelecer um relacionamento realista com Beijing. Reconhece que a China tem uma ambição global, mas não considera que o seu comportamento possa colocar em causa a segurança internacional.

Com estas afirmações Borrell não estava obviamente a fazer a apologia do regime político chinês. Implícito nas suas palavras encontra-se a necessidade de promover a adoção de regras de convivência entre regimes diferentes, e de se encontrarem fórmulas de acomodação e de coexistência, apesar da competição existente entre a UE e a China. Segundo Borrell, “eles [a China] reiteraram uma vez mais que querem estar presentes no mundo e desempenhar um papel global, mas que não têm ambições militares. Não querem usar a força nem se envolver em conflitos militares”.

A postura da UE face à China, manifestada através das declarações de Borrell, é significativamente diferente da posição da NATO, fortemente influenciada pelos EUA. Na cimeira de Londres, em dezembro último, os Chefes de Estado e de Governo incumbiram Stoltenberg de promover uma reflexão sobre o futuro da Aliança, que servirá de referência para a próxima cimeira, colmatando a ausência de um conceito estratégico. Um dos temas centrais dessa reflexão prende-se com o papel global da NATO e o seu relacionamento com Beijing.

Segundo Stoltenberg é difícil para a Aliança ignorar a China. “A China está cada vez mais próxima em todos os aspetos, desde o Ártico a África, e desde o ciberespaço às redes 5G e outros investimentos em infraestruturas na Europa, para não mencionar a intensificação de exercícios militares com a Rússia”. Embora ninguém o diga, todos pressentem que o posicionamento da NATO relativamente à China será determinante na sua futura relevância política e militar. O pivot to Asia, e a alteração da prioridade estratégica americana da Europa para a Ásia, remonta aos tempos da Administração Obama. Não é de agora. Para continuar a ser útil à política externa dos EUA, a NATO terá de se reformar. Esta abordagem tem muitos adeptos no seio da elite política americana.

Importa perceber o que terá de acontecer para que essa transformação ocorra, se ocorrer, uma vez que vai contra a natureza defensiva e regional da Aliança. A evolução para uma organização de caráter global, como defendido pelos EUA há cerca de década e meia – projeto que não vingou –, poderá implicar a revisão do Tratado de Washington. Será outra NATO. Se isso não acontecer, a Aliança correrá o risco de se tornar “menos necessária”. Será que os europeus vão alinhar numa NATO global, ou preferem a “solução Borrel”? A resposta não é fácil. Ao serem soluções mutuamente exclusivas é impossível abraçar simultaneamente as duas opções.

Recomendadas

Ainda vamos ter saudades de Angela Merkel

Quando outros líderes vacilaram em questões fundamentais, Merkel esteve quase sempre do lado certo da História, invariavelmente opondo-se aos totalitarismos, aos extremismos, à xenofobia e à intolerância.

Identificar o erro e agravá-lo

Antes da aprovação do Portugal 2020, havia consciência do excesso de dispersão com que os fundos do QREN tinham sido aplicados e o novo programa, o PT2020, não só não corrigiu o erro anterior como o agravou.

A nação do Estado

A espera por soluções macroeconómicas de fundo tem sobretudo resultado no desperdício de tempo precioso para pôr em prática políticas sociais corretivas. Urge promover uma nação mais igualitária.
Comentários