A Economia da Felicidade, de Francisco e o caminho da transformação

No caso dos economistas, é muito fácil perceber quando estão a mentir: 1. quando se põem a prever o futuro; 2. quando dizem que não fazem, nem se metem em, política.

“Mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo”, lá diz o provérbio.

No caso dos economistas, é muito fácil perceber quando estão a mentir: 1. quando se põem a prever o futuro; 2. quando dizem que não fazem, nem se metem em, política.

Na verdade, a ciência social, que é a economia, lida com fenómenos humanos e sociais que, ontologicamente, são de previsão fina impossível. Ao contrário da física, que é regida por leis, na economia não há tal coisa, apenas tendências de comportamento individual e coletivo. Ao mesmo tempo, o objeto sobre o qual atuam as políticas económicas são as pessoas e as sociedades. Ora, ao contrário do betão, que reage sempre de mesma forma à pressão que sobre ele é exercida por uma dada estrutura de engenharia, os seres humanos e as sociedades reagem de formas sempre diversas, nomeadamente porque conseguem antecipar as políticas, adaptando-se ou transformando-se.

Por outro lado, os engenheiros não têm que ter preocupações ideológicas, uma vez que não nos temos que preocupar com a “vida” do betão. Já os economistas, como todas as políticas que advogam afetam fortemente a vida das pessoas, e a vida humana e a sua qualidade é tudo o que importa, têm que explicitar quais são os seus pressupostos ideológicos.

Se é possível fazer ciência económica, tentando encontrar quais os determinantes de certos fenómenos da economia (ainda que com muitas dificuldades, por falta de dados e de condições experimentais), já não é possível fazer qualquer aconselhamento de política sem um teor ideológico.

Infelizmente, aquilo que mais vemos são economistas com voz pública a debitarem o que deve ser feito em termos de políticas económicas, arrogando-se de uma suposta neutralidade.

Na prática, o que fazem é proclamar um conjunto de medidas que, supostamente, são as mais conducentes ao crescimento económico, dizendo que isso é “o bem” da sociedade e da economia (tanta ideologia aqui!).

Acontece que isso é falso! Falso porque algumas dessas conclusões derivam de modelos fantasistas, sem provas empíricas; e porque não é o crescimento económico, em si, que cria o bem-estar humano.

Não é por as sociedades ficarem mais ricas que, necessariamente, as pessoas vivem melhor, são mais felizes, nem que o planeta é sustentável.

Aliás, quando Simon Kuznets criou o PIB, disse, expressamente, que esse não era um indicador de bem-estar, apenas uma contabilidade da produção anual de uma nação.

Acontece que a cegueira ideológica que, infelizmente, domina a academia económica, elevou o PIB ao estatuto de grande objetivo da economia, levando os políticos e as organizações internacionais por arrasto (FMI, Banco Mundial, OCDE ou U.E.), com o beneplácito financiador daqueles poucos que, de facto, beneficiam sempre muito com o crescimento económico.

Mas o séc. XXI está a dar provas empíricas (a pandemia é apenas um exemplo) de que essa cegueira ideológica tem que terminar: crescer economicamente não garante a paz, a felicidade nem a sustentabilidade.

Mais do que um problema de quantidade, temos um problema de qualidade e temos de responder às questões: como crescer? para quê crescer?

Como os economistas do séc. XVIII e XIX bem sabiam, e os economistas da felicidade o recordam agora, só faz sentido crescer se produzirmos felicidade, algo que não é automático (como a maioria dos economistas atuais pensa), pois que o aumento do PIB não garante o aumento da felicidade (hoje sabemo-lo cientificamente). E como os ecologistas nos avisam, só podemos crescer na justa medida em que o planeta aguente e se regenere.

Assim, é precisa uma forte mudança: cultural, institucional e ideológica.

Para essa mudança, quer a Economia da Felicidade, quer a Economia de Francisco podem ser fortes contribuintes.

A economia da felicidade, ramo de investigação da ciência económica, já com mais de 25 anos de produção científica ao mais alto nível, ensina-nos que a relação entre o PIB e a felicidade não é linear, e que quanto mais rica é uma nação, menos o PIB consegue gerar felicidade adicional.

E isso acontece porque os seres humanos não são, nem se comportam como, as máquinas hiper-racionais, monetariamente calculistas, que surgem nos livros de economia ensinados nas faculdades.

Ao contrário, somos seres que se adaptam (ao que ganhamos e ao que perdemos), se comparam (consigo próprios no passado, com os outros e com os quadros de referência), têm expectativas (e ficamos felizes se as superaremos, infelizes se as frustramos), se posicionam socialmente (tendo prazer em estar no topo e sofrendo estando na base), agem de acordo com princípios de altruísmo, empatia e reciprocidade e para os quais os bens relacionais são mais importantes que os materiais.

Mais, as diferentes dimensões da nossa vida não são substituíveis: não se compra amor com dinheiro, nem se obtém realização profissional através do lazer.

Acontece que o crescimento económico desenfreado do séc. XX produziu muita coisa à custa da destruição de afetos, de laços sociais, de saúde mental, de beleza natural, de silêncio, de culturas locais e de esquemas de cooperação, acicatando uma competição individualista maligna. E muito do que produziu foi poluição e produtos conspícuos e viciantes, que não são capazes de produzir felicidade duradoura.

Ter mais bens materiais, mas ter menos tempo livre, menos família, amigos e colegas, menos cooperação e estabilidade no trabalho, menos solidariedade, menos vizinhança ou menos beleza natural é uma via de perda de bem-estar. Isto, a ciência da felicidade já nos demonstrou.

Ao mesmo tempo, a Igreja Católica está comandada por um Papa interventivo, que quer que o mundo seja guiado pelo amor fraterno cristão, “todos irmãos, todos filhos de Deus”.

Nessa lógica, foi criada a iniciativa “Economia de Francisco” (https://francescoeconomy.org/) que mais não é que uma doutrina económica que visa “fraternizar” a economia global, não permitindo que, sob o pretexto do crescimento económico, valha todo o desrespeito pelo ser humano e pela natureza.

O Papa denuncia os males que a globalização desregulada e os mercados sem freio têm provocado, desde a desigualdade crescente entre as pessoas, passando pelas guerras ou pela exploração insustentável dos recursos naturais (ver a Encíclica “Fratelli Tutti” de 2020).

Esta interessante convergência entre a Economia da Felicidade e a Economia de Francisco, com economistas como Jeffrey Sachs, Stefano Zamagni, Leonardo Becchetti ou Stefano Bartolini – que tenho o prazer de conhecer pessoalmente das conferências académicas da economia da felicidade, qua acompanho desde 2005 – a estarem nos dois “campos de batalha”, permite a comunhão de pessoas: os que vêm pelo lado da ciência (Economia da Felicidade) e os que vêm pelo lado da doutrina cristã (Economia de Francisco). Todos compreendendo que o modelo económico para o séc. XXI já não pode ser o do séc. XX, extractivista, consumista, materialista.

Temos de encontrar alternativas num crescimento moderado, sustentável, redistributivo e de qualidade. Só assim se produzirá uma efetiva felicidade sustentável.

Os economistas que negam isto têm uma visão psicopática, uma cegueira ideológica pela produção material, negando a natureza empática, cooperativa, relacional, contemplativa e espiritual do ser humano.

De resto, precisamos de todos, para fazer esta mudança acontecer.

Recomendadas

O comportamento da dívida não-financeira dos Hospitais EPE

Os mínimos atingidos no nível de stock da dívida não resultaram de uma redução do seu fluxo de acumulação ao longo dos anos, mas sim de regularizações anuais que não resolvem de forma sustentável o problema estrutural de endividamento hospitalar.

Mentes confinadas

A União Europeia tem de começar a edificar um caminho próprio, um caminho na equidistância entre as duas grandes potências: China e EUA. E o acordo agora celebrado com a China pode constituir um passo novo.

O capitalismo precisa de roupa?

Mostrar sensibilidade social, sem adotar ações corretivas concretas, é “bonito” mas não resolve um problema humano grave, avolumado pela pandemia: a indignidade da vida de quem tem que se sustentar com salários minimalistas.
Comentários