Lisboa está na moda, mas o crescimento atual é sustentado e sustentável, dado que as fontes da procura são hoje muito mais diversificadas e a dinâmica não é apenas conjuntural.

Quando se fala em investimento imobiliário, as estrelas estão alinhadas com Lisboa, só que, como em muitas situações na vida, existem os dois lados da questão.

Se, por um lado, Lisboa é cada vez mais atrativa, com a obtenção de prémios nas mais diversas áreas, nomeadamente a hotelaria, a moda e a restauração, por outro lado, a atual tendência de subida dos preços no segmento habitacional tem obrigado muitos lisboetas a deslocarem-se para a periferia da cidade.

A recente subida de 16% no preço médio das casas, com destaque para as freguesias da Misericórdia e de Santo António, que inclui a Avenida da Liberdade e zonas adjacentes, onde, no último ano foram registadas subidas de 39% e 46%, respetivamente, tem levado a que a expressão “bolha imobiliária” comece a ser pronunciada com maior convicção. Porém, desta vez, e paradoxalmente, este crescimento vigoroso está assente numa procura sólida, devido aos seguintes fatores:

1. Não sincronização do preço das casas com o ciclo de crédito: os dados estatísticos disponíveis revelam que não existe uma correlação entre a atual subida do imobiliário e o financiamento bancário, com o stock de crédito à habitação a continuar a diminuir, ainda que a um ritmo mais lento que o observado nos últimos anos, refletindo as amortizações antecipadas e as decorrentes dos vencimentos dos contratos, que ainda superam as novas operações.

Esta dinâmica evidencia que não é o setor bancário quem se encontra a financiar este crescimento, mas sim os fundos próprios das entidades envolvidas, quer sejam elas particulares ou institucionais. Ainda assim, é de destacar o maior acesso ao crédito à habitação em 2017 com a contratação de financiamentos no valor de 8 mil milhões de euros, o nível de concessão mais elevado dos últimos sete anos, traduzindo-se num aumento de 43% face a igual período do ano anterior.

2. Investimento estrangeiro: o capital de além-fronteiras, destacando-se a geografia francesa e brasileira, tem sido o principal catalisador da dinâmica de crescimento da atividade imobiliária e a variável que tem permitido que os fundamentais associados aos preços das habitações se mantenham sólidos. A existência de uma procura estável com recurso a fundos próprios veio permitir que mais de metade das compras totais do ano passado tenham sido efetuadas sem a intermediação de uma instituição financeira.

O crescimento atual é sustentado e sustentável, dado que as fontes da procura são hoje muito mais diversificadas e a dinâmica não é apenas conjuntural. Lisboa está na moda e tornou-se no destino de eleição para investidores e multinacionais, embora ainda apresente preços bem mais tentadores que outras capitais europeias.

3. Bom desempenho da economia nacional: o crescimento mais expressivo dos últimos 17 anos e a diminuição da taxa de desemprego têm permitido um regresso dos particulares ao mercado habitacional, beneficiando do ambiente de baixas taxas de juro e de uma postura mais agressiva por parte do setor bancário com uma diminuição do pricing dos financiamentos.

É verdade que os preços atuais das habitações em Lisboa têm levado a que se torne quase impossível a classe média viver na capital, sendo difícil encontrar um T2 condigno por menos de 400 mil euros, mas Lisboa limita-se a seguir o caminho percorrido por outras capitais europeias, em que o centro da cidade fica reservado para centros de negócios, lazer e turismo.

Lisboa deu o passo da internacionalização e, normalmente, depois deste passo, não é possível voltar atrás. Quem vem, vem para ficar, “apaixona-se” por Lisboa – uma cidade cujo único defeito é ter demasiadas virtudes por onde descansar o olhar.