A Espanha desavinda

Trata-se de um país desavindo, com vários abismos políticos a bloquear soluções estáveis de governabilidade. Dada a propensão de Espanha para a ruína autoinfligida, resta esperar que as animosidades tenham limites.

Felipe González disse em tempos que a política se resume à capacidade de interpretar o estado anímico dos cidadãos. Tomando o aforismo como verdadeiro, o quadro partidário saído das eleições de 28 de Abril espelha na perfeição a acrimónia e a polarização que caracterizam os ânimos em Espanha. O bipartidarismo consolidado pelos partidos popular e socialista na década de 1990, que atingiu o seu pico nas legislativas de 2008, acabou.

Há fracturas entre constitucionalistas e independentistas, entre nacionalistas e cosmopolitas, entre esquerda e direita, dentro da esquerda, dentro da direita, e dentro dos nacionalismos. Os resultados eleitorais lembram, em tom admonitório, as palavras de Thomas Macaulay: quem deseje conhecer até que ponto se pode debilitar e arruinar um grande Estado deve estudar a História de Espanha.

O país regressará às urnas no dia 26 de Maio para eleições europeias, mas também para municipais e doze autonómicas. Isto significa que os partidos têm incentivos acrescidos para esperar e perceber a correlação de forças que sairá destes escrutínios. Espanha continuará em campanha, com contaminação cruzada entre o palco nacional e as diferentes realidades locais. Assim, mais do que olhar para hipotéticos acordos partidários, vale a pena analisar a reconfiguração do quadro político, até para aferir as hipóteses de estabilidade a prazo.

Manual de resistência

Embora longe da maioria absoluta, o resultado de Pedro Sánchez é notável. Importa recordar que, em Dezembro de 2015, conduziu o partido socialista ao pior resultado de sempre em legislativas. Como deste acto eleitoral não saiu um governo, no ano seguinte os espanhóis foram novamente chamados a votar e Sánchez conseguiu o que parecia impossível: subtrair à anterior derrota histórica cinco mandatos e cerca de 150 mil votos. Foi um desastre sem paliativos. Após novo fracasso, desta feita nas eleições galegas e bascas, acabou demitido, com o golpe de misericórdia desferido pela figura tutelar de González.

Sánchez voltou à estaca zero, apoiou-se nas bases contra os barões do partido e reconquistou a liderança do PSOE. Apesar dos continuados ataques internos e externos, de erros clamorosos de gestão política e de inúmeras polémicas, chegou ao poder por via de uma moção de censura. Sem legitimidade eleitoral e dependente de alianças com radicalismos de diferentes tipos, o seu governo caiu ao fim de oito meses. Por tudo isto, o resultado agora conseguido pelo PSOE é francamente positivo, sendo três as razões que o explicam.

Em primeiro lugar, a invulgar perseverança de Sánchez, de resto alardeada pelo próprio – as suas memórias políticas intitulam-se precisamente “Manual de Resistencia”. Porém, onde uns vêem resistência, outros detectam soberba e uma ambição irrefreável que dispõem o secretário-geral socialista a tudo para se manter no poder. Uns e outros têm razão. Em segundo lugar, o medo ao Vox, partido de ultraderecha que inspirou um temor que o PSOE soube instigar e capitalizar. Finalmente, sendo evidente que a direita só muito dificilmente faria acordos com os socialistas, o eleitorado de centro-esquerda mobilizou-se para prevenir uma eventual coligação à esquerda demasiado dependente do radicalismo programático do Podemos.

O certo é que os principais objectivos de Sánchez – consolidar a liderança no PSOE, mitigar as manchas do passado e adquirir a legitimidade eleitoral que lhe faltava – foram conseguidos. E voltou a ser considerado “de esquerda” pelo Podemos.

Assaltar o céu e cair

O Podemos irrompeu na arena partidária em 2015 prometendo um ataque ao sistema e o fim às “castas” que dominavam a política e a economia. Nas palavras de Pablo Iglesias, líder deste partido de esquerda radical, a ambição era a de “assaltar o céu”. Nas eleições desse ano recebeu mais de cinco milhões de votos e obteve 69 mandatos, um resultado que lhe deu clara influência política.

No passado domingo perdeu cerca de um milhão e trezentos mil votos em relação a 2015 e caiu para os 42 deputados. Mesmo em comunidades autónomas onde a vontade de evitar uma coligação de direita foi ostensiva, como no País Basco, o Podemos teve resultados sofríveis. A derrota é ainda mais pesada se tivermos em conta que desta vez se apresentou em coligação com os comunistas da Izquierda Unida, na plataforma Unidas Podemos.

Face ao desaire, o Podemos depende do PSOE para ser relevante. Iglesias, que recusou apoiar um governo de Sánchez em 2016 e que sempre viu no PSOE um dos pilares da “casta”, encontra agora nos socialistas a chave para um Executivo “progressista” e de “esquerda”. A anunciada intenção do PSOE em governar sozinho, recorrendo a apoios parlamentares pontuais, não agrada a Iglesias, que tudo fará para entrar no governo – inclusive bloquear soluções.

Dispersão à direita

Se à esquerda o principal partido cresce em detrimento do segundo, à direita a dinâmica é inversa. O Ciudadanos, partido assumidamente liberal, obteve o melhor resultado de sempre em votos e mandatos, mas o PP sofreu a pior derrota da sua história, ficando muito abaixo da barreira psicológica de 100 deputados.

Pablo Casado, presidente dos Populares, recuperou ideias e personalidades próximas do ex-Chefe de Governo José María Aznar, e aferrou-se a uma linha fortemente conservadora, tentando evitar a fuga de votos para o Vox. Tudo lhe correu mal. Por um lado, alienou o centro liberal e, por outro, foi incapaz de travar a saída de eleitores pela direita. Apesar de ter mais votos e mandatos que o Ciudadanos, Casado não reúne condições para liderar um espaço de direita muito fragmentado. O PP não tem por hábito substituir líderes perdedores, mas Casado é candidato a inaugurar essa prática.

Por fim, a entrada da ultraderecha no parlamento vale por si mesma, pois não serve para mais nada. Excepto para dividir. A análise aos resultados sugere que a repartição por PP e Ciudadanos dos votos recebidos pelo Vox muito provavelmente daria ao bloco de direita a maioria absoluta. Seja como for, estes partidos não oferecem uma solução aritmética para governar e estão cada vez mais separados por tensões e desacordos profundos.

Futuro instável

Tal como antevi em ensaio neste jornal, direita e esquerda ficaram aquém da maioria necessária para governar porque a fragmentação de voto nestas legislativas não tem precedentes em Espanha. E nenhuma das soluções possíveis permite estabilizar o centro político e resolver problemas prementes, como o separatismo catalão, beneficiado nas urnas pelo ambiente de conflito.

PSOE e Ciudadanos somam 180 mandatos num parlamento com 350 lugares, mais do que o suficiente para a maioria absoluta. Mas, em Fevereiro passado, os liberais aprovaram por unanimidade uma moção que rejeitava qualquer pacto pós-eleitoral com os socialistas, decisão já reafirmada após a noite de 28 de Abril. A aproximação de Sánchez ao independentismo catalão é vista como uma traição imperdoável. Logo, este caminho, o de maior estabilidade e o preferido por influentes sectores da economia, parece inviável.

Uma solução à esquerda exige a aliança de PSOE e Podemos com pequenos partidos, nomeadamente nacionalistas radicais e, em última análise, a associação a forças políticas com um passado recente de apoio ao terrorismo, como o basco E.H. Bildu. Apelidada em Espanha de “frankenstein”, esta solução não só é excêntrica como comprovadamente ineficaz, razão pela qual Sánchez tudo fará para evitá-la.

Sobra então a via de um governo minoritário do PSOE com apoios pontuais no parlamento. É a opção menos má. Contudo, pelos motivos já explicados, é difícil, instável e carece da força exigida à ultrapassagem dos problemas de fundo do país.

As eleições locais podem abrir novas hipóteses, mas o mais provável é que acentuem as clivagens existentes. Trata-se de um país desavindo, com vários abismos políticos a bloquear soluções estáveis de governabilidade. Dada a propensão de Espanha para a ruína autoinfligida, resta esperar que as animosidades tenham limites.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Estrada sem fim

Existe uma nova tendência para contestar os velhos padrões de organização das sociedades que pode resultar em novos modelos, mas que até agora tem, essencialmente, reativado velhas soluções.

As virtudes do direito à greve

A única ação que se deve regular por um critério de proporcionalidade é a definição de serviços mínimos. E essa definição cabe ao Governo, com o maior tacto possível, garantindo os serviços mínimos, sem com isso minimizar o impacto que se espera de uma greve a ponto de constituir um boicote.

Individualismo, desigualdade e solidão

É nos países mais desiguais que as pessoas mais acreditam na meritocracia. É onde há maiores diferenças entre ricos e pobres que encontramos mais pessoas a aceitarem que o mundo é justo e que com esforço qualquer um consegue chegar ao sucesso.
Comentários