“A Guerra dos Tronos”: prognósticos só no final do “Jogo”

Revolucionou a televisão, dinamizou a piratariae o streaming, tem cenas que chocariam Tolkien e mais ligações familiares do que o Governo.As batalhas da série que ninguém quer perder voltam no domingo e falta pouco para todos ficarem a saber de quem será o lugar de sonho.

Seis episódios chegaram para a NOS, a Meo e a Nowo enviarem uma mensagem simples e direta aos clientes: não irão perder a oitava e última temporada de “A Guerra dos Tronos”, bastando-lhes pegar no telecomando e optar pelo recôndito SyFy, mais conhecido pelas séries de baixo orçamento e telefilmes com tubarões voadores. Será através desse canal que muitos portugueses verão o desfecho da mais sangrenta e fascinante saga de fantasia, assistindo na madrugada ou na noite de segunda-feira aos episódios disponibilizados pela HBO, também acessível para os clientes nacionais da Vodafone.

Quando uma série é capaz de alavancar o lançamento de um serviço de streaming que chegou a Portugal no início deste ano e de motivar um atento contra-ataque das operadoras concorrentes, receosas de perderem clientes caso não lhes pudessem oferecer esses últimos seis episódios (bem como os 67 das sete temporadas anteriores) dir-se-ia que a vitória está assegurada antes do início da batalha. Pelo menos no que toca ao sucesso de audiências de uma série que chegou a ter o estatuto de mais pirateada do mundo – “The Walking Dead” terá conseguido ultrapassá-la no ano passado – e que na temporada anterior chegou a mais de 30 milhões, nas diversas plataformas, só nos Estados Unidos, confirmando a tendência ascendente enquanto não faltam exemplos de produções a perder audiência ano após ano, definhando lentamente até ao inevitável cancelamento.

Desenvolvida pela HBO em 2010, numa adaptação dos romances “As Crónicas de Gelo e Fogo“, do excêntrico norte-americano George R. R. Martin, “A Guerra dos Tronos” teve um início conturbado ao ponto de o episódio-piloto ter de ser praticamente todo regravado, com amplas mudanças no argumento, cenários e elenco – Emilia_Clarke tornou-se sex symbol e exemplo de empoderamento feminino, mas a “mãe dos dragões” Daenerys Targaryen começou por ser interpretada pela também britânica Tamzin_Merchant -, mas não demorou a tornar-se um fenómeno.

Com a cotação do género da fantasia em alta devido ao sucesso da trilogia cinematográfica “O_Senhor dos Anéis”, a série nascida da imaginação de George R. R. Martin deixou claras as diferenças em relação à obra de J._R. R. Tolkien. “A Guerra dos Tronos”_também mistura humanos e figuras mitológicas, com a ameaça de mortos-vivos caminhantes brancos presente desde a sequência inicial, tendo-se-lhes entretanto juntado dragões e gigantes. Nunca faltaram batalhas de proporções épicas, com milhares de combatentes de cada lado, mas a intriga palaciana, a violência gráfica e o sexo explícito, muitas vezes praticado enquanto guerra por outros meios, são notas dominantes que decerto desagradariam ao pudico Tolkien.

E isto sem falar no âmago da questão._Enquanto “O Senhor dos Anéis” é uma luta entre o Bem e o Mal, “A Guerra dos Tronos” distingue-se pelos tons de cinzento nas intenções e práticas dos múltiplos personagens do enredo, ainda que tenha começado por mostrar os incestuosos Lannister a envenenarem o rei e a urdirem a captura e execução do seu conselheiro Ned Stark (Sean Bean), senhor do Norte e bússola moral do continente de Westeros.

Ter o aparente protagonista a morrer na primeira temporada só contribuiu para estabelecer outra tendência, “A Guerra dos Tronos” não é para velhos, não é para novos, e talvez nem seja para vivos. Atente-se à estatística: 186 de entre 330 personagens importantes nas sete primeiras temporadas sucumbiram, quase todas passadas a espada, envenenadas ou queimadas, numa taxa de mortalidade de 56,4%.

E quem sairá vivo?

Não espanta, por isso, que as casas de apostas londrinas paguem pouco a quem investir na morte desta ou daquela personagem. Com uma horda de caminhantes brancos, liderada pelo tenebroso Rei da Noite, prestes a enfrentar os humanos, numa batalha de Winterfell que demorou 11 semanas a gravar, em cenários da Irlanda do Norte – Malta,_Espanha e Islândia também receberam a superprodução, com um orçamento de 90 milhões de dólares (80 milhões de euros) para a derradeira temporada, numa média de 13,3 milhões de euros por episódio -, há um prenúncio de morte que a todos pode calhar.

Apesar da forte aliança entre Daenerys Targaryen, filha mais nova do rei louco morto anos antes do início da série, e Jon_Snow (Kit Harrington), o suposto filho bastardo de Ned Stark que é afinal sobrinho do decapitado e filho do irmão mais velho da “mãe dos dragões” – acabando por ceder aos encantos de quem nem imagina ser sua tia -, já nenhum deles é tido como favorito para sair vencedor de “A Guerra dos Tronos”, cumprindo a profecia do “príncipe prometido” que unirá os sete reinos. Prevalece agora o consenso de que o surpreendente triunfador será Bran_Stark (Isaac Hempstead Wright), filho clarividente de Ned Stark que logo no primeiro episódio ficou à beira da morte, e não mais deixou de estar paralisado, ao ser lançado do alto da torre onde testemunhou a forma como a rainha Cersei (Lena Headey) e o cavaleiro Jaime Lannister (Nikolaj Coster-Waldau) encaram o amor entre irmãos gémeos.

Também bem posicionado para a vitória está Tyrion_Lannister (Peter Dinkladge), o irmão dos gémeos incestuosos, discriminado pela família por ser anão, que se autodescreve como alguém que “bebe e sabe coisas” e, após ser conselheiro do sobrinho Joffrey Baratheon (Jack_Gleeson) – um monarca tão jovem quanto sádico, filho de Cersei e Jaime, como todos os seus irmãos, acaba por morrer envenenado -, escapa à morte e junta-se a Daenerys. Nem falta entre a ativa comunidade de fãs da série quem creia que também ele é mais um dos filhos secretos do rei louco, elevando as ligações familiares de “A Guerra dos Tronos” a um nível que ultrapassa qualquer Governo acusado de nepotismo.

E ainda temos Sansa Stark (Sophie Turner), livre do jugo do noivo Joffrey e do sinuoso Petyr “Littlefinger” Baelish (Aidan Gillen), e a sua irmã mais nova Arya (Maisie Williams), convertida numa das melhores praticantes da arte de matar. Bem como o bastardo_real Gandry (Joe Dempsie) e o erudito Samwell_Tarty (John Bradley), mas há quem aposte tudo no trágico Jamie – tão capaz de atirar crianças para uma morte que parecia certa como de perder a mão a defender uma donzela – ou até na pérfida Cersei, que viu morrer todos os filhos. Isto, claro, se não for o_Rei da Noite a sentar-se no_Trono de Ferro, construído com as espadas dos inimigos do primeiro rei, cuja história será contada numa nova série, prequela de “A Guerra dos Tronos”, que já está a ser desenvolvida pela HBO.

Artigo publicado na edição nº 1984, de 12 de abril, do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários