A História está de regresso à Velha Europa

Ficou célebre a frase de Lord Ismay sobre a NATO. Esta, dizia, foi criada para “manter os russos fora, os americanos por dentro e os alemães em baixo”.

Ficou célebre a frase de Lord Ismay sobre a NATO. Esta, dizia, foi criada para “manter os russos fora, os americanos por dentro e os alemães em baixo”. Era uma forma de dizer que a NATO assegurava a paz na Europa e cumpria o velho desígnio estratégico britânico de impedir o surgimento de uma potência hegemónica no Continente. Ismay estava certo: a Aliança tornou possível o mais longo período de paz desde a queda do Império Romano, há 1500 anos. É habitual atribuir-se este mérito à União Europeia, mas esta não existiria sem a NATO, a hegemonia militar americana e a ameaça soviética, que relegaram para segundo plano qualquer rivalidade que pudesse persistir entre a França e a Alemanha.

Setenta anos depois, o mundo está muito diferente. A União Soviética já não existe, Trump acelerou a tendência dos EUA para o isolacionismo e a Alemanha reunificada (apesar das reservas de Thatcher e Mitterrand, lembram-se?) é agora a maior potência europeia. Para ter futuro, a NATO precisa de se reinventar e os países europeus terão de assumir um contributo crescente para a organização.

O que nos leva a três questões que poderão ser determinantes neste processo de redefinição da Aliança.

A primeira é saber quem será o líder no campo europeu. A França ou a Alemanha? Ou as duas em conjunto, numa reedição do eixo Paris-Bona/Berlim, que assegurou o sucesso da construção europeia?

A segunda é qual será a estratégia da Aliança face à Rússia. Em Londres, Macron deu a entender que, tal como Trump, veria com bons olhos um entendimento com a Rússia, enquanto potencial parceira estratégica para conter a ascensão da China. Sem surpresa, esta posição mereceu a oposição do Reino Unido, da Alemanha (que ainda há dias expulsou dois diplomatas russos), da Polónia e de outros países de Leste, que estão demasiado perto de Moscovo.

A terceira é saber o que fará a Rússia perante uma eventual aproximação ocidental. Estará Putin disposto a deixar em paz os países vizinhos, em troca da normalização das relações com o Ocidente e do regresso da Rússia ao velho jogo de alianças, pesos e contrapesos do Velho Continente, de que está afastada desde a revolução bolchevique de 1917? Estará o Kremlin, que receia uma eventual ameaça na Sibéria, disposto a unir esforços com o Ocidente para conter o dragão chinês?

Parece que a História está mesmo de regresso à Velha Europa.

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários