A importância crescente da inteligência estratégica na competitividade empresarial

No futuro, as empresas mais perspicazes e hábeis a entender a realidade e a mudança que as rodeia serão aquelas que irão conseguir ser mais efetivas na criação de valor, tanto para clientes como para si próprias.

No futuro, as empresas mais perspicazes e hábeis a entender a realidade e a mudança que as rodeia serão aquelas que irão conseguir ser mais efetivas na criação de valor, tanto para clientes como para si próprias.

O avanço da digitalização e da indústria 4.0 está a alterar radicalmente os fatores de competitividade das empresas e a sua forma de estar no mercado. Começamos a ter um quadro competitivo em que a criação de valor empresarial assenta na capacidade de resposta rápida, efetiva e inovadora que as empresas dão às necessidades específicas de cada consumidor e não em economias de escala e em produtos/serviços de massas como no passado.

À medida que esta realidade se intensifica, o conhecimento da envolvente em que as empresas atuam torna-se cada vez mais importante, bem como a forma como elas se integram nessa envolvente e nas suas dinâmicas de mudança. Na verdade, as empresas mais perspicazes e hábeis a entender a realidade e a mudança que as rodeia serão aquelas que irão conseguir ser mais efetivas na criação de valor, tanto para os clientes como para si próprias.

Mas o que é o “contexto” ou a “envolvente” de que falo? Certamente o contexto competitivo da análise clássica de Porter (clientes, concorrentes e fornecedores), mas sobretudo o contexto da eficiência empresarial coletiva, que envolve fornecedores de inputs especializados (componentes, sistemas, ferramentas, equipamentos), distribuidores nacionais e internacionais, clientes avançados, empresas pertencentes a indústrias relacionadas, instituições de ensino superior, infraestruturas tecnológicas (centros tecnológicos, institutos de novas tecnologias, institutos de qualidade), incubadoras de base tecnológica, parques de ciência e tecnologia, capital de risco, consultores especializados, associações empresariais (que providenciam informação, formação e suporte técnico) e serviços públicos.

E quais são as dimensões fundamentais do(s) contexto(s) ou envolvente(s)? Uma primeira dimensão respeita à “amplitude”, que pode ser local, regional, nacional ou internacional. Uma segunda dimensão respeita à “perspetiva temporal” considerada: passado, presente, futuro próximo, futuro distante… Esta segunda dimensão é muito importante na atualidade, dado que vivemos num tempo de mudança acelerada, em que as condições da procura, do mercado e da tecnologia se alteram permanentemente.

Uma outra dimensão muito relevante prende-se com o “caráter sistémico” do(s) contexto(s). Por essa razão, para perceber o(s) contexto(s) não basta apenas conhecer cada uma das suas dimensões, mas, também, a forma como essas dimensões se interrelacionam entre si e como interagem umas com as outras em sistemas que se afirmam crescentemente complexos. Para perceber o(s) contexto(s) é, igualmente, importante entender como é que esses sistemas evoluem e se adaptam ao longo do tempo.

A última dimensão fundamental é mais “normativa”, prendendo-se com a forma como o(s) contexto(s) influencia(m) as pessoas, os consumidores, as empresas e as organizações que o compõem e o modo com alguns destes atores também conseguem influenciar o(s) contexto(s) em que atuam.

Na EY-Parthenon temos equipas fortemente experientes em inteligência estratégica, que ajudam de forma efetiva as empresas e as entidades promotoras de eficiência empresarial coletiva a conhecer melhor as envolventes em que atuam e outras que são críticas para o seu futuro, bem como a perspetivar a sua evolução futura.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Tendências na saúde em tempo de pandemia

Já com os dados finais do primeiro semestre dos reportes financeiros começamos a ter uma perspetiva mais clara do impacto da pandemia na Big Pharma

Digital Twins e mobilidade: uma ferramenta para a resiliência e agilidade

Os impactos da pandemia no setor dos transportes e nas cadeias de abastecimento vieram reforçar a importância da resiliência e da agilidade das organizações ao navegar um contexto de incerteza, para além da dimensão de eficiência

A modernização das regras de faturação

A Portaria n.º 195/2020, de 13 de agosto, veio definir os requisitos de criação do código de barras bidimensional (“Código QR”) e do código único de documento (“ATCUD”), os quais apesar de se tratarem de elementos inovadores ao nível do processamento de faturas e documentos fiscalmente relevantes, encontravam-se a aguardar pela publicação da respetiva regulamentação desde fevereiro de 2019
Comentários