“A Iniciativa Liberal não fará parte da ‘aranhonça’ de seis partidos”, diz Carlos Guimarães Pinto

“Até agora tivemos uma geringonça, penso que agora teremos uma ‘aranhonça’ de seis partidos. A Iniciativa Liberal não fará parte dessa ‘aranhonça'”, garantiu o líder do partido que elegeu um deputado.

carlos_pinto_guimarães_iniciativa_liberal_legislativas
Miguel A. Lopes/Lusa

Com a reunião com o Presidente da República terminada, Carlos Guimarães Pinto, o líder da Iniciativa Liberal, afirma a recusa em “apoiar a indigitação do primeiro-ministro António Costa”. Diretamente do Palácio de Belém, o deputado eleito do novo partido sustenta “a tristeza por estas audiências estarem a acontecer quando ainda faltam muitos votos por contar”, referindo-se aos círculos de quem vive fora do território português.

Carlos Guimarães Pinto repete por diversas vezes críticas à “forma como decorreu o processo de votação nos círculos da emigração”, uma vez que “as pessoas fizeram um grande esforço para votar e o seu voto não está a ser contabilizado antes destes encontros”. “Teoricamente, até podemos ter novos partidos que deveriam ter sido recebidos hoje”, garante.

Ainda assim, o líder da Iniciativa Liberal afirma que entende a urgência da reunião com os partidos e deputados eleitos por causa do encontro com o Conselho Europeu devido ao Brexit.

Estando contra a indigitação de António Costa como primeiro-ministro, Carlos Guimarães Pinto garante que o partido respeita a decisão do eleitorado “mas enquanto partido não vamos viabilizar a indigitação de António Costa”. “Não havia qualquer alternativa à indigitação de Costa, mas obviamente não lhe daremos apoio parlamentar”, sublinhou.

“Até agora tivemos uma geringonça, penso que agora teremos uma ‘aranhonça’ de seis partidos. A Iniciativa Liberal não fará parte dessa ‘aranhonça'”, garantiu o deputado. “Somos uma clara oposição ao socialismo. Somos um partido liberal e nunca apoiaremos a oposição”, sustentou.

Relacionadas

André Ventura “lamenta” eleição de António Costa: “Contarão connosco para a oposição”

O líder do Chega reconhece que o Partido Socialista foi o mais votado nas eleições e por isso tem legitimidade para governar, mas que só irá apoiar “o que for positivo para o povo português”.

Cavaco Silva triste com resultado do PSD apela à mobilização para “reconstruir unidade”

“A história do PSD mostra que a pluralidade de opiniões, no quadro dos valores básicos da social-democracia moderna é uma força estimulante e enriquecedora do partido”, defendeu.

Joacine Moreira Katar: “Não é nosso objetivo entrar na constituição de nenhuma coligação”

A nova deputada do Parlamento colocou-se de fora de uma coligação governativa, dado prioridade ao PCP e ao Bloco de Esquerda.
Recomendadas

Costa reúne esta segunda-feira com Presidente da República para entregar nomes de secretários de Estado

O gabinete do primeiro-ministro enviou este domingo, 20 de outubro, uma nota onde refere que “o primeiro-ministro solicitou hoje uma audiência ao Presidente da República para lhe apresentar os nomes dos secretários de Estado”.

Sondagem Aximage: Maioria julga que António Costa sabia o que se passou em Tancos

Parte considerável dos eleitores também têm a impressão de que Marcelo Rebelo de Sousa também estava ao corrente daquilo que se estava a passar. PSD terá sido o partido mais beneficiado com o “caso de Tancos” e o PS o mais prejudicado nas urnas.
assunção_cristas_rui_rio_debate_legislativas_1

Direita unida numa só lista teria mais um deputado do que o PS

Se os eleitores do PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal, Chega e Aliança tivessem votado na mesma lista esta teria colocado 97 deputados na Assembleia da República, ganhando dez ao PS. Mas bastaria o partido de André Ventura ficar de fora para os socialistas continuarem a ter mais parlamentares do que os existentes à sua direita.
Comentários